Ceclin
maio 02, 2008 4 Comentários


Combate à Dengue foi o tema da Mesa Redonda

Prefeitura: Pedro Lira esclarece os dados da dengue
As ações governamentais, a prevenção, os riscos, o histórico epidêmico no mundo e no Brasil e as epidemias que se alastram em alguns estados do País e ainda os casos de dengue hemorrágica em Pernambuco foram os pontos tratados na Mesa Redonda do Programa A VOZ DA VITÓRIA pela Rádio Tabocas FM (98.5) desta sexta-feira (02/05).
Contamos com a participação do senhor Pedro Lira – Coordenador das Endemias da Secretaria de Saúde do Município da Vitória de Sto. Antão; ainda a participação por telefone da senhora Zailde Carvalho – Gerente da Vigilância em Saúde do Governo de Pernambuco. Foi esclarecida a relação diferencial da dengue clássica para a hemorrágica, seus sintomas, bem como as ações que estão sendo empreendidas pelos agentes comunitários de saúde.
Segundo Pedro Lira, que é funcionário da FUNASA cedido à Prefeitura da Vitória, a cidade tem procurado fazer sua parte na tarefa do combate ao mosquito da dengue. Não há sinalização, segundo ele, de epidemia. Registra-se 11 casos em Cidade de Deus, 13 na Matriz, 13 em Lagoa Redonda, Maués 21, Redenção 11. Os quais são bairros que há registros significativos da dengue clássica em nossa cidade. Lamentou que o bairro da Matriz tenha o maior caso de ocorrências e o maior número de focos. Devido precisamente por encontrar dezenas de imóveis fechados, não contribuindo para o acesso dos agentes neste combate.
Nossa reportagem esteve em duas casas que foram constatadas casos da dengue hemorrágica. Entrevistando ao vivo os responsáveis da menina de 04 anos, Natália Kaylanny, a sua tia – Denize Cristina relatou a preocupação de todos em superar este caso grave da doença em sua família residente na Rua Paes Cabral (Matriz). Fomos verificar in loco outro caso constatado da hemorrágica na Rua Horácio de Barros (Matriz), pela família de Carol, de 11 meses de idade. Dona Ivonete, avó da criança, contou a apreensão familiar ao qual foi constatado a suspeita da dengue hemorrágica na sua neta, pelo qual espera-se a confirmação pelo Laboratório Central (Lancen).
Até o momento, há 05 casos confirmados de dengue hemorrágica sem vítimas fatais em Vitória. Destes os dois principais casos aqui mencionados no bairro da Matriz, onde já se constata ser a localidade de maior número de focos. Há outro caso deste tipo de dengue nos bairros de Lagoa Redonda e Lot. Real Vitória. Ainda um caso sob investigação na comunidade de Cidade de Deus.
Para a representante do Governo do Estado, Zailde Carvalho, a colaboração e o compromisso das Prefeituras através dos agentes lotados nas Secretarias de Saúde em parceria com a população tornam-se determinantes para a amenização destes focos. Ela destacou que o Governo tem procurado cumprir sua parte na medida em que tenta-se evitar a chegada de uma possível epidemia no interior do Estado.
A dengue é um dos principais problemas de saúde pública no mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que entre 50 milhões e 100 milhões de pessoas se infectem anualmente, em mais de 100 países, de todos os continentes, exceto a Europa. Cerca de 550 mil doentes necessitam de hospitalização e 20 mil morrem em conseqüência da dengue.
Em nosso País, as condições socioambientais favoráveis à expansão do Aedes aegypti possibilitaram o avanço da doença desde sua reintrodução, em 1976. Essa reintrodução não conseguiu ser controlada com os métodos tradicionais. Por isso, o controle proposto pelo Programa Nacional de Controle da Dengue trouxe mudanças efetivas em relação aos modelos anteriores e, hoje, o controle da transmissão do vírus da dengue se dá essencialmente no âmbito coletivo e exige um esforço de toda a sociedade.
No período de janeiro a março de 2008 no País, 120.413 casos de dengue clássica, 647 casos de Febre Hemorrágica da Dengue (FHD) e a ocorrência de 48 óbitos.

Apresentação: Lissandro Nascimento.
Produção: Jáder Siqueira e Vandson Cássio.
Equipe: Orlando Leite, Genilda Alves e Severino Neves.