Ceclin
ago 31, 2017 0 Comentário


Colóquio da Visibilidade Lésbica busca combater o preconceito através da arte

O Colóquio faz parte da Caravana da Visibilidade Lésbica e Mulheres Bissexuais de Pernambuco, que continua com programação até o dia 3 de setembro. Fotos: Marcelo Vidal

O Colóquio faz parte da Caravana da Visibilidade Lésbica e Mulheres Bissexuais de Pernambuco, que continua com programação até o dia 3 de setembro. Fotos: Marcelo Vidal

Evento realizou debate e encaminhou demandas das mulheres ligadas à causa

Em pleno Dia da Visibilidade Lésbica, mulheres e mães se reuniram para debater o preconceito, sofrido por elas, no Colóquio Visibilidade Lésbica – Arte e Empoderamento, na tarde da terça-feira (29​/08​), no centro cultural do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), no Recife. O evento foi uma parceria da Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude (SDSCJ), por meio da Executiva de Segmentos Sociais (SESES), com o MEPE e a sociedade civil organizada.

Além da exposição fotográfica sobre a trajetória política de 12 lésbicas e bissexuais no hall de entrada, o evento exibiu o documentário “Lésbicas e suas histórias pela militância”, com roteiro da jornalista Angélica Araújo, com depoimentos sobre a vida pessoal e luta pela causa das mesmas 12 mulheres da exposição.

Colóquio da Visibilidade LésbicaO Colóquio foi conduzido pelo promotor de justiça Marco Aurélio Farias Silva e contou com a participação de mulheres, representantes das organizações em defesa da causa, além do secretário executivo Sérgio Moura, da SESES, que explicou como funciona a estrutura disponível na SDSCJ, que promove a política dos diversos segmentos, incluindo o público LGBT.

“Ter uma secretaria desta em Pernambuco é um dos maiores avanços no Brasil e precisamos aproveitar esta oportunidade. Estamos de portas abertas, por isso os movimentos devem chegar junto e se empoderar das políticas e auxiliar as pessoas que compõem a estrutura da SESES”, disse Sérgio.

O promotor Marco Aurélio, que também é do Centro de Apoio da Promotoria de Justiça e Cidadania (CAOP), recebeu das mãos da representante Ana Carla Lemos um documento, cuja leitura foi feita na ocasião, que aborda a história política do movimento LGBT em Pernambuco e as conquistas dos movimentos sociais, além de apontar os desafios a serem enfrentados, como a discriminação sofrida pelas mulheres nas relações de poder político.

“Um evento como este serve para gerar discussões e apontar caminhos para emancipar, ainda mais, o segmento. Este documento já nos dá um norte para que a justiça continue a cumprir o seu papel de defender as violações de direitos sofridas por lésbicas e bissexuais. No MEPE já dispomos da Comissão de Direito Homoafetivo e os funcionários podem adotar o nome social em seus registros”, disse Marco Aurélio.

O documento está assinado pelas seguintes organizações da sociedade civil, cujas representantes participaram também do colóquio: LUAS (Grupo Liberdade de União Afetivo Sexual de Lésbicas e Mulheres Bissexuais (Luas), do Articulação e Movimento Homossexual no Recife e Região Metropolitana (Amhor); MNU (Movimento Negro unificado); Comleas (Coletivo de Mulheres Lésbicas e Bissexuais); União Nacional LGBT e Bloco da Diversidade.

CARAVANA – O Colóquio faz parte da Caravana da Visibilidade Lésbica e Mulheres Bissexuais de Pernambuco, que continua com programação até o dia 3 de setembro. Os questionamentos e inquietações das Lésbicas e Bissexuais continuam a ser debatidas na Universidade Federal de Pernambuco (Centro de Filosofia e Ciências Humanas – CEFICH), onde será realizado, nos dias 30 e 31 de agosto, o II Seminário Estadual sobre Lésbicas e Mulheres Bissexuais (LB): “As questões de Saúde e suas interseccionalidades”.

A Caravana serve para sensibilizar a sociedade sobre o respeito às diferenças. É um momento para comemorar todos os direitos já alcançados, sem esquecer das conquistas que ainda estão por vir. O objetivo é dar visibilidade às ações desenvolvidas em diversas áreas do Estado, buscando uma reflexão da sociedade sobre os direitos e deveres de cada cidadã.​

da Assessoria