• Ceclin
jan 22, 2015 0 Comentário


Chute na fé, por Hely Ferreira

CharliePor Hely Ferreira

Muitos devem lembrar o episódio em que o bispo Von Helder, da Igreja Universal do Reino de Deus, chutou a imagem daquela que é considerada pelos católicos romanos a padroeira do Brasil. O fato fez com que boa parte da mídia nacional execrasse o religioso, alegando que ele estava desrespeitando a fé dos adeptos do romanismo. Recentemente, o ataque terrorista que ocorreu no jornal francês Charlie Hebdo causou comoção internacional, e no Brasil não foi diferente.

A explicação apresentada para com o fato foi que aquele meio de comunicação costuma fazer charges satirizando tudo, inclusive as religiões. Ora, bem sabemos que há fanáticos em qualquer credo religioso e, por conta disso, não justifica utilizar meios draconianos, ao ponto de tirar a vida de quem tem posição antagônica a fé que alguém professa. Com efeito, argumentar que em nome da liberdade de expressão alguém pode fazer chacotas com a sua fé, é no mínimo um pensamento insano.

Discordar, todos têm o direito, mas a liberdade que eu tenho não me autoriza a tripudiar do meu semelhante, mesmo quando eu não concordo com o que ele acredita. Vivemos uma época em que, em nome da liberdade, boa parte das pessoas advoga ser possível fazer tudo aquilo que se tem vontade, pelo fato de se viver em uma democracia, esquecendo-se que ela nos concede direitos, mas também deveres, e um deles é o de respeitar o outro, mesmo quando achamos que o seu pensamento não está coreto.

O fato ocorrido em Paris faz com que fique cada vez mais claro que (sem generalização), o homem ocidental acredita que a ciência responde a tudo, portanto, seguindo o pensamento de Feurbach entende que não mais precisa da religião; do outro lado (sem generalização), o homem oriental acredita que a religião responde a tudo. Assim, vivemos em uma era de extremismo.

hely ferreira

Por Hely Ferreira,

Cientista Político.