• Ceclin
jun 12, 2019 0 Comentário


Centrais sindicais afinam discurso para a greve geral de sexta-feira (14)

Centrais sindicais Pernambuco

Os presidentes das centrais sindicais em Pernambuco – CUT, CTB, CSP Conlutas, Força Sindical, Intersindical, CGTB, Nova Central e UGT -, concederam coletiva de imprensa, na manhã desta quarta-feira (12/06), na sede da CUT, em bairro de Santo Amaro/Recife.

Os sindicalistas destacaram, através de informes, detalhes e esclarecimentos sobre a Greve Geral marcada para sexta-feira, 14 de junho, que terá o apoio das Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, além da participação de várias categorias de trabalhadoras e trabalhadores, organizações de mulheres, estudantis, negros, LGBT e populares. Haverá ato publico, a partir das 14h, na Rua do Sol com a Avenida Guararapes, no Centro da Cidade.

Durante a entrevista, as lideranças sindicais reafirmaram o compromisso de união, luta e resistência para combater a criminosa reforma da Previdência em tramitação no Congresso Nacional, cujo objetivo é aprovar mudanças na aposentadoria pública, Segundo os organizadores, haverá mobilizações e atos públicos em mais de 20 cidades e municípios de Pernambuco, entre eles, Petrolina, Salgueiro, Serra Talhada, Arcoverde, Garanhuns, Caruaru, Surubim, Vitória de Santo Antão, Cabo de Santo Agostinho, Jaboatão dos Guararapes, Igarassu, Goiana. Algumas categorias confirmaram que vão parar no dia 14 de junho: bancários, professores, metalúrgicos, químicos, portuários, trabalhadores rurais, agricultores familiares, metroviários, trabalhadores da Educação, da saúde, dos correios, da Justiça Federal, eletricitários, urbanitários, petroleiros, enfermeiros, servidores públicos federais, estaduais e municipais, entre outras categorias que estão aprovando a paralisação em assembleias.

De acordo com presidente da CUT Pernambuco, a greve geral não é apenas para os trabalhadores têm emprego com carteira assinada e estão organizados em sindicatos. “Sexta-feira, 14 de junho é greve geral. Além de não apresentar ao País uma proposta de retomada do crescimento econômico com geração de emprego e renda, o governo Bolsonaro quer jogar a conta da crise nas costas dos trabalhadores e acabar com o direito à aposentadoria de milhões de brasileiros e brasileiras”, enfatizou.

Para entender todas as mudanças nas regras da aposentadoria e dos benefícios, acesse o site Reaja Agora, criado pela CUT para informar os trabalhadores e trabalhadoras sobre os detalhes das perversidades contidas na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 006/2019, nome oficial da reforma da Previdência.