Ceclin
mar 12, 2014 0 Comentário


Câmara de Gravatá rejeita as contas do ex prefeito Joaquim Neto

As prestações de duas contas das gestões fiscais do ex-prefeito Joaquim Neto (PSDB) foram apreciadas pela Câmara de Vereadores de Gravatá, no Agreste pernambucano, em Sessão Ordinária na noite desta terça-feira (11).

Na oportunidade, se votou também uma das contas julgadas pelo TCE/PE pertencentes a gestão do também ex-prefeito Ozano Brito Valença (PSD).

As contas de 2004 e 2007 de Joaquim Neto foram reprovadas pelo Legislativo gravataense por 12 X 1. A votação só não foi maior em virtude da ausência dos vereadores Júnior de Paulo (PRP) e do ex-prefeito e vereador Luiz Prequé (PSB). Já as contas do ex-prefeito Ozano Brito foram aprovadas com ressalvas pela unanimidade da Casa, composta ao todo por quinze parlamentares.

Foram apontadas as seguintes irregularidades na prestação de contas de Joaquim Neto: desvio de 12 toneladas de merenda escolar, empresas fantasmas com CNPJ falsos, crime de falsificação de assinaturas e de documentos, além de sonegação de impostos, dentre outros. Uma representação deverá ser formulada nesta quarta-feira (12) junto ao Ministério Público Federal e a Polícia Federal em virtude dos agravos encontrados na prestação rejeitadas pelo TCE/PE.

Até o momento, quatro prestações de contas do ex-prefeito já foram julgadas e reprovadas (2004, 2006, 2007 e 2008), o que aponta a inegibilidade de Joaquim Neto para as próximas eleições.

Votaram seguindo a orientação do TCE os vereadores Regis da Compesa (PSL), Gimário de Uruçu (PTB), Ana de Jaci (PSD), Angélica de Ademir (PTB), Neto da Banca (PRP), João Paulo (PDT), Léo Giestosa (PTC), Elson Campos (PSD), Júnior de Obras (PPS) e Pedro Martiniano (PRB). Apenas o vereador Léo do Ar (PSDB) votou contra a rejeição das Contas e a favor do seu líder político, Joaquim Neto.

com informações do Blog do Castanha e o Portal GN