Ceclin
fev 22, 2021 0 Comentário


Buenos Aires, Carpina e Tracunhaém endurecem regras para conter Covid-19

Comitê de Gestão de Crise do coronavírus, a Prefeitura de Tracunhaém, através do prefeito Aluísio Xavier, decidiu emitir novo decreto municipal. Foto: Divulgação

Com o avanço de casos da Covid-19, municípios da Zona da Mata de Pernambuco, como Tracunhaém, Carpina e Buenos Aires, impuseram regras mais severas para coibir aglomerações de pessoas e evitar a propagação da doença. A decisão foi anunciada, nesta segunda-feira (22.02), pelas prefeituras das cidades, que juntas somam uma população de cerca de 115 mil habitantes. Entre as medidas, está a suspensão das aulas nas escolas, além de restrições ao funcionamento de bares e restaurantes, assim como a limitação da operação de igrejas.

Em Tracunhaém, que fica a 50 quilômetros do Recife, a decisão veio por força de Decreto, estipulando que as atividades esportivas em áreas públicas também estão vetadas. De acordo com a gestão, os estabelecimentos que comercializam produtos alimentícios só podem operar até às 19h, situação que também deve se estender aos serviços de delivery. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, a cidade totalizou, até o momento, 85 casos e 21 mortes. Apenas nos últimos dez dias, foram registradas 26 novas confirmações.

O cenário preocupante se repete em Carpina, onde as salas de aula têm previsão de permanecer vazias pelos próximos 90 dias. Por lá, os bares, lanchonetes e restaurantes podem seguir de portas abertas apenas até às 20h. No entanto, aos fins de semana, este horário deve ser reduzido para as 18h. A regra avança ao Centro, com lojas de confecções, calçados e demais segmentos também encerrando a operação neste horário. Conforme a normativa publicada, as mudanças também atingem as feiras livres e mercados públicos, proibindo, por exemplo, a tradicional instalação de bancas às margens da Rodovia PE-90.

No mesmo caminho, as tradicionais festividades católicas, em homenagem ao padroeiro da cidade, São José, também entraram na lista de vetos. Programada para iniciar no próximo dia 10 de março, a solenidade não deve ocorrer, incluindo também as homenagens que seriam feitas em residências. Nas igrejas, para os atos comuns, deve prevalecer o limite de 30% da capacidade, cumprindo o distanciamento de 1,5 metro e a disponibilização de álcool para os fiéis. Segundo a pasta da Saúde, foram confirmados, até então, 1.483 casos do novo coronavírus.

Em Buenos Aires, a Procuradoria Municipal também já estuda a suspensão das aulas nas redes pública e privada de ensino. Com o balanço de 86 casos do novo coronavírus e 12 mortes, a população se mostra assustada com o avanço da pandemia, tentando seguir mais a sério as recomendações das autoridades de saúde. Na cidade, também está restrita capacidade do público em igrejas, a operação de estabelecimentos comerciais e o fluxo de pessoas nas tradicionais feiras de artesanato, roupas e gastronomia.

Fabinho Queiroz, prefeito de Buenos Aires, solicitou dois respiradores ao Governo Federal que atenderiam a população na Unidade Mista Maria Tereza Brennand Coelho e também em veículo móvel (ambulância), garantindo o deslocamento seguro de pacientes que apresentem casos mais graves da doença ou outras enfermidades. O gestor reforça no ofício ao Ministro da Saúde que a situação é preocupante em Buenos Aires, pois o número de contaminação está crescendo com o advento da segunda onda da Covid-19 na região.

Nazaré da Mata
Dando partida as ações, desta vez na Zona da Mata Norte do Estado, a cidade de Nazaré da Mata foi a primeira a decretar limitações, em razão do crescimento do número de casos da Covid-19. A Secretaria de Educação e Esportes de Pernambuco suspendeu aulas presenciais, por 45 dias, no município, incluindo escolas e universidades.

AULAS em CARPINA

Nesta segunda-feira (22.02), após a publicação do Decreto do prefeito de Carpina Manuel Botafogo (PDT), com novas medidas contra Covid-19, entre elas a suspensão de aulas presenciais pelo prazo de 90 dias, a Justiça suspendeu o artigo da decisão do gestor que determinava apenas aulas remotas.

Uma ação impetrada pela Escola Internacional do Carpina foi apreciada pela Juíza da 3ª Vara Cível da comarca de Carpina Mariana Vieira Sarmento e a medida liminar concedida ainda na noite desta segunda (22).

Entre as alegações da escola estão: o fato de “que não descumpriu qualquer regra imposta pelo Governo do Estado para reabertura das escolas particulares, assim como informou que desde o início do retorno às aulas não teve nenhum aluno contaminado pela COVID 19”. Além de “que o fechamento das escolas pelo prazo estipulado é medida extremamente danosa para a instituição de ensino, assim como interfere de forma arbitrária no funcionamento da unidades escolar, sem nenhum critério que justifique a medida”. A Prefeitura de Carpina deverá ser intimada no prazo de 10 dias para prestar informações e o sindicato de escolas particulares e o Ministério Público de Pernambuco (MPPE).