Ceclin
dez 07, 2020 0 Comentário


Brasil de Bolsonaro mergulhado no caos e na desigualdade, atesta SINDSEP-PE

Duas charges do ilustrador Samuca, que coloriram as páginas do informativo Garra do Sindsep-PE, no ano de 2019, foram selecionadas para a 15ª edição do World Press Cartoon, realizada em Caldas da Rainha, em Portugal. A mostra, que aconteceu entre os últimos meses de setembro e novembro, reuniu 275 caricaturas, cartoons editoriais e desenhos de humor oriundos de 45 países.

O Brasil está mergulhado no caos e numa completa desigualdade social, não apenas pela pandemia causada pelo Coronavírus, mas também pela postura adotada pelo governo Bolsonaro, que favorece o mercado financeiro e penaliza a população menos favorecida. 

Antes mesmo de a pandemia chegar e como consequência das políticas de austeridade adotadas no Brasil pós-golpe 2016, o País já despontava como o sétimo mais desigual do Mundo, com 41,9% da renda brasileira concentrada em apenas 10% da população mais rica. 

Levando em consideração que cerca de 30 milhões de brasileiros recebem até um salário mínimo, o valor da cesta básica divulgada recentemente pelo PROCON-SP em parceria com o Dieese, deixou o País em alerta sobre a questão da segurança alimentar. A conta não fecha. A cesta básica está R$ 949,98, 90,78% do valor do salário mínimo atual, que é de R$ 1.045.

Também de acordo com o IBGE, a taxa de desemprego entre os jovens bateu recorde histórico este ano, chegando a 31,4%. Uma consequência da ausência de políticas públicas para estimular os jovens a permanecerem mais tempo na escola, buscando maior qualificação. Para reverter esse cenário não existe mistério. O Brasil precisa voltar a crescer e a gerar emprego e renda. 

E as perspectivas para 2021 não são boas. A redução do Auxílio Emergencial para R$ 300,00 levou mais 4 milhões de pessoas à extrema miséria e quase 9 milhões para a linha da pobreza, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílio (Pnad-Covid). A desigualdade social se acentua ainda mais no Nordeste, onde a taxa de desemprego é acima da média nacional e fica em 17,3%. 

“Na contramão disso tudo o governo ainda fala em cortar programas sociais e implementar uma reforma administrativa para acabar com o serviço público, que atende a todos, mas principalmente a parcela mais carente da população. Ou seja, a opção de Bolsonaro é por mais miséria. Não podemos aceitar isso!”, reforça o coordenador geral do Sindsep-PE, José Carlos de Oliveira. 

Sindicato dos Servidores Públicos Federais de Pernambuco
SINDSEP-PE.