Ceclin
abr 11, 2009 0 Comentário


BR-232 reserva outras surpresas

Publicado em 09.04.2009

VITÓRIA DE SANTO ANTÃO – Apesar de ser uma das regiões com maior densidade demográfica e gastronômica do interior de Pernambuco, o Agreste não responde sozinho pelo sabor da mesa interiorana. Para os gourmets mais atentos, a BR-232 reserva surpresas bastante agradáveis desde o início.
Uma delas é o restaurante Carnes e Galletos, uma churrascaria comandada por uma família pernambucana com raízes gaúchas, que funciona há oito anos na beira da estrada que dá acesso a Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata.
“Meu pai era gaúcho e foi um dos fundadores do O Laçador, no Recife, mas depois desfez a sociedade, morou por alguns anos em Maceió e, finalmente, veio parar em Vitória”, conta Rodrigo Brol, que assumiu a dianteira dos negócios desde que o pai, Juca Brol, faleceu no início deste ano.
No cardápio do restaurante, todos os tipos de carne são oferecidos em porções generosas, com os legítimos acompanhamentos gaúchos: arroz, maionese de batata, farofa e vinagrete. Os pratos custam de R$ 20 a R$ 50 e servem duas a três pessoas. Um dos destaques da casa é o mistão, composição de carnes nobres servidas na chapa. Aliás, muito bem servidas. Entre pedaços de alcatra, picanha, surubim, costela e lombo de porco, 1,2 quilo de carne chega à mesa. Fora os acompanhamentos.
Preparadas como manda a tradição dos Pampas, “só com sal e brasa”, as carnes são muito saborosas. Mas a picanha rouba a cena. “Só trabalhamos com picanha argentina, porque o segredo do churrasco está na qualidade da carne”, diz Rodrigo, que vende, em média, 3,2 mil quilos de carne por mês. “Isso sem contabilizar os números dos serviços de bufê e refeições prontas que também fazemos.” Para dar conta de tanta demanda, ele abriu recentemente um anexo que serve espetinhos o dia todo, entre outras cositas más.
Outra parada interessante, mais à frente na BR-232, já em Bezerros, é o Bar da Lúcia. Trata-se de um lugar para lá de rústico, que serve, há cinco anos, só três pratos: guisados de galinha de capoeira, carne vermelha e porco. “Qualquer um deles custa R$ 7, com feijão, arroz e farofa”, diz Lúcia, que, enfática, emenda logo na conversa o horário de funcionamento da casa: “Fecha às 14h”. Está avisado.
(Jornal do Commercio).