Ceclin
fev 10, 2014 0 Comentário


Bloco Os Pinguços comemora 17 anos

O Carnaval em Vitória de Santo Antão se destaca pela pluralidade cultural e a criatividade de seus blocos e troças carnavalescas. Em um pitoresco costume por nomes incomuns, o Bloco Carnavalesco Os Pinguços se soma a esta singularidade,  despontando sua irreverência no sábado (08), com sua prévia no Restaurante Gamela de Ouro, reunindo destacados veículos e nomes da imprensa vitoriense, animada pela Orquestra Ciclone, do Maestro Givaldo Barros.

Ozias Valentim, diretor fundador dos Pinguços e atual Secretário de Governo da Prefeitura de Vitória, citou a relevância do carnaval de rua e a importância da imprensa na cobertura da Festa de Momo.

Fundado no dia 02 de fevereiro de 1997, o bloco surgiu diante da cobrança pela volta das Orquestras de Frevo que já detinham uma participação tímida no Carnaval vitoriense, por predominar na época, os trios elétricos. Como todo Pinguço que se preza, a agremiação também foi inspirada no Engarrafamento PITÚ, que detém uma relação íntima com a Festa de Momo na cidade. Em todos estes anos, Os Pinguços só não saíram apenas uma vez e se consolidou em sua festa de 15 anos.

O Bloco surgiu inspirado por Ozias Valentim, carnavalesco nato, que aguardava a passagem dos blocos e troças de sua calçada no Bairro do Livramento para poder adentrar na folia, contudo, percebendo o arrefecimento do carnaval de rua e cada vez mais a elitização da festa momesca na cidade, Valentim prometera para si mesmo quando tivesse as condições necessárias criar um bloco que permitisse este resgate. Por várias décadas, o Carnaval de Vitória detinha como seu forte os bailes de salão, promovidos pelos tradicionais Clubes O Camelo, O Leão e O Cisne (Motoristas). “Nosso esforço é promover através do nosso bloco um carnaval democrático e aberto, com camisas sem nenhum custo para o folião”, sentenciou o advogado Ozias Valentim. “Chegou um instante do Carnaval de Vitória que as Orquestras estavam sem oportunidade de tocar na cidade devido à chegada dos Trios Elétricos. As nossas Orquestras iam tocar em outros municípios. Nosso bloco surgiu para ajudar também neste resgate”, acrescentou.

A iniciativa deu tão certo que hoje tem pessoas no bloco que não consomem bebida alcoólica, apesar de sabermos que em todas as agremiações há pinguços. Talvez o que atraia mesmo tanta gente para prestigiar Os Pinguços seja a ordem de só tocar o Frevo genuinamente pernambucano e claro, preservando o carnaval de rua. Nestes 17 anos, a concentração do bloco é um sucesso na Rua Nossa Senhora de Fátima, no Bairro da Matriz (próximo a Escola Dias Cardoso), todas as Segundas-feiras de Carnaval começando às 13h, este ano saindo com a Orquestra Ciclone.

Prestigiado por inúmeras personalidades da sociedade vitoriense no Restaurante Gamela de Ouro, Ozias Valentim registrou a presença do Poder Legislativo na comemoração e aproveitou para saudar o Presidente da Câmara, Prof. Edmo Neves (PMN). “Como bom carnavalescos que somos, eu e o Prof. Edmo Neves estimulamos o carnaval de rua. Como amigo de longas datas que sou dele, esta festa registra que nosso esforço por este resgate tem sido plenamente válido”, destacou.

Confira as imagens…

Fotos: A Voz da Vitória / Equipe