Ceclin
out 31, 2017 0 Comentário


Banco do Brasil se prontificou reavaliar fechamento da agência em Escada

Superintendência do BB sobre Escada PE

O Presidente do Banco do Brasil Paulo Caffarelli recebeu na tarde desta terça-feira (31/10), em Brasília, o Prefeito de Escada Lucrécio Gomes (PSB), acompanhado do Vice-prefeiro Ivanildo Bigodão, além do Presidente da Câmara Municipal Elias Ribeiro Carvalho (SD) e o Secretário de Desenvolvimento Institucional Klaustermman Lima. Ainda participaram desta audiência o Senador Armando Monteiro (PTB) e os Deputados Federais Augusto Coutinho e Jorge Côrte Real. O encontro pautou sobre o fechamento da agência bancária em Escada. Por questões de segurança, o BB planeja encerrar as atividades no Município no próximo dia 21 de novembro.

Apresentando alternativas de solução que impeçam o fechamento definitivo do BB de Escada, o Prefeito Lucrécio Gomes comunicou que se comprometeu junto a direção do Banco do Brasil em Pernambuco em colaborar no suporte à segurança da agência. “Iremos se preciso for, melhorar de alguma e qualquer forma a segurança na agência. O que não podemos é perder o Banco do Brasil, prejudicando milhares de escadenses”, pontou o gestor.  Argumentaram ao presidente do banco que, além de ser a maior cidade da Zona da Mata Sul, com 70 mil habitantes, Escada tem grande potencial para sediar empreendimentos industriais de porte, por se situar na área de influência do Porto de Suape.

“Estamos muitos esperançosos que o Banco do Brasil em Escada ficará aberto. Entregamos todas as reivindicações e nós, juntos com o apoio do Governo Municipal iremos atender qualquer possível solução ou problema para que a agência continue na cidade”, salientou o vereador Elias Ribeiro. O prefeito Lucrécio Gomes informou a Caffarelli que a Previdência do município movimenta uma conta de R$ 11 milhões na agência, que possui 10 mil correntistas. Ofereceu para sua realocação um prédio da prefeitura e a garantia de que a nova localização abrigará a guarda municipal, um fator de segurança para evitar que volte a ser arrombada, como aconteceu.

Caffarelli se prontificou reavaliar a decisão de fechar a agência na cidade e dará uma resposta definitiva o mais breve possível. O presidente do Banco do Brasil explicou que a decisão de fechamento de agências no País não é uma estratégia comercial, mas forçada por prejuízos causados por assaltos e explosões. Segundo Caffarelli, a destruição dos imóveis leva seis meses, em média, para a reconstrução, devido ao processo de licitação, e muitas vezes voltam a ser arrombados. Informou haver 330 agências do BB paralisadas atualmente em todo o País, por assaltos violentos, deixando mais de mil funcionários sem atividade.

com informações da assessoria