• Ceclin
mar 21, 2018 0 Comentário


Aterro em Jaboatão que atende Vitória recebe vistoria da Comissão de Meio Ambiente da Alepe

VISTORIA – Primeiro local observado por parlamentares do colegiado foi o Centro de Tratamento de Resíduos (CTR Candeias), em Jaboatão dos Guararapes. Foto: Alepe

VISTORIA – Primeiro local observado por parlamentares do colegiado foi o Centro de Tratamento de Resíduos (CTR Candeias), em Jaboatão dos Guararapes. Foto: Alepe

Meio Ambiente inicia visitas a lixões e aterros sanitários de Pernambuco

A ida da Comissão de Meio Ambiente da Alepe ao Centro de Tratamento de Resíduos (CTR Candeias), em Jaboatão dos Guararapes, nessa terça-feira (20/03), marcou o início da série de visitas que o colegiado pretende realizar, neste semestre, aos lixões e aterros sanitários de Pernambuco. O objetivo é identificar o tratamento dado ao lixo e os impactos ambientais e riscos à saúde relacionados ao processo.

O presidente do grupo, deputado Zé Maurício (PP), explicou que a iniciativa pode ajudar a construir uma política efetiva para o setor. Ele citou levantamento feito pelo Tribunal de Contas em 2017 apontando que 62% das cidades de Pernambuco descumprem a Política Nacional de Resíduos Sólidos, sancionada em 2010. A norma estabelecia o fim dos lixões até 2014, prazo que foi estendido para 2021. “A preocupação nossa é justamente procurar ver onde há uma gestão moderna para a destinação dos resíduos sólidos, e a gente fazer com que o Estado, através dos consórcios dos municípios, consiga implementar o mesmo projeto.”

Uma das alternativas aos lixões é a criação de aterros sanitários como o CTR Candeias. Na visita, os deputados conheceram as tecnologias envolvidas no processamento das mais de 4.500 toneladas de lixo recebidas diariamente. Os resíduos chegam de seis cidades de Pernambuco (Recife, Jaboatão, Cabo de Santo Agostinho, Moreno, São Lourenço da Mata e Vitória de Santo Antão), além do Arquipélago de Fernando de Noronha.

O centro faz o correto descarte de lâmpadas, entulhos e rejeitos, além de ter uma estação para o tratamento de todo o chorume produzido. Um dos projetos mais inovadores deve ser lançado no início de 2019, com a criação de uma usina que transforma o gás produzido pelo lixo em energia.

Segundo o gerente-geral do CTR Candeias, Fábio Zorzi Leme, a capacidade de geração vai ser de dez megawatts (MW). “Do biogás que é gerado, 50% dele é metano, que é poluente, mas é um gás combustível. Vamos direcioná-lo para geradores a biogás que vão produzir energia. Portanto, 10 MW de energia gerada a partir do metano que poderia contaminar o meio ambiente terão capacidade de abastecer uma cidade de 300 mil habitantes”, explicou.

Os parlamentares consideraram o CTR Candeias um exemplo para a gestão dos resíduos sólidos. O deputado José Humberto Cavalcanti (PTB) reforçou a possibilidade da criação de consórcios entre municípios para a construção de aterros compartilhados regionalmente. A deputada Laura Gomes (PSB)  afirmou que a preocupação com o tema deve ser prioridade para os gestores públicos. “Hoje se você não discute o meio ambiente não debate as outras políticas. Todas as outras políticas passam pela questão ambiental.”

Ao fim da série de visitas, a Comissão de Meio Ambiente vai elaborar um relatório com o diagnóstico da situação dos resíduos sólidos em Pernambuco.