Ceclin
nov 18, 2009 1 Comentário


Associação apresenta Mapa do não reconhecimento paterno

Um total de 19.352 crianças pernambucanas nascidas entre 2005 e 2008 – o equivalente a 8,62% dos registros civis feitos no período – não possuem o nome do pai na certidão de nascimento. Este é um dos resultados do Mapa do não reconhecimento paterno, pesquisa realizada pela Associação Pernambucana de Mães Solteiras (Apemas). O estudo será anunciado hoje durante um seminário que acontece na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

De maio a setembro, a socióloga Mônica Villaça e a assistente social Mônica Regina percorreram os 37 cartórios do Grande Recife. O número de crianças não reconhecidas, considerado alto, de acordo com as pesquisadoras deve ser ainda maior, uma vez que muitas mães optam por deixar de registrar as crianças que não têm um sobrenome paterno.

seminário também pretende discutir a necessidade de estruturar políticas publicas para a resolução do conjunto das desigualdades vividas pelas mães solteiras e seus filhos. O evento acontece no Centro de Educação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).
Da Redação do DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR