Ceclin
set 14, 2010 1 Comentário


Assédio do Palácio não fisga Ozano

Publicado em 14.09.2010

Manoel Medeiros Neto

Quase cinquenta dias depois do seu padrinho político e ex-prefeito Joaquim Neto (PSDB) anunciar apoio à reeleição do governador Eduardo Campos (PSB), o prefeito de Gravatá, Ozano Brito (PSDB), ratificou ontem posicionamento favorável à eleição do senador Jarbas Vasconcelos (PMDB) ao Palácio das Princesas.

Numa campanha marcada por adesismos e denúncias de cooptação, o anúncio do tucano aliviou a cúpula da campanha peemedebista, oficialmente apoiada pelos tucanos. Apesar da aliança, entretanto, 14 dos 17 prefeitos da legenda estão no palanque eduardista – além de Ozano, permanecem fieis o prefeito de Jaboatão, Elias Gomes, e o de Ibimirim (Sertão), Padre Marcos.

A ratificação do compromisso político do gestor com o candidato oposicionista desmente comunicado oficial da coligação Frente Popular, do PSB, que anunciou em seu perfil no microblog Twitter, no dia 26 de julho, que Ozano Brito estaria a caminho da sede do PSB, no Recife, para anunciar o apoio a Eduardo.

Naquele momento, entretanto, Ozano já estava num hospital do Recife se preparando para ser submetido a um procedimento cirúrgico no intestino delgado. Desde lá, seu primeiro pronunciamento oficial foi ontem, na sede da Prefeitura. “Voto na aliança que o meu partido, o PSDB, construiu. Eu já votei em 2006 em Eduardo Campos, mas agora, como prefeito, tenho compromisso e faço parte de uma aliança que devo respeitar”, explicou.

Muito beneficiada pela duplicação da BR-232, uma das principais obras da primeira gestão de Jarbas à frente do Executivo estadual, Gravatá foi palco de importantes vitórias para o grupo do peemedebista e até a mudança de lado de Joaquim Neto era avaliada como uma das localidades que sustentaria expressiva votação para a chapa oposicionista.

Por parte do Palácio, que se atrapalhou nas articulações em vista das eleições municipais de 2008 em Gravatá – a candidatura do socialista Luiz Prequé foi retirada em plena campanha – Eduardo se aproximou de Ozano no final do primeiro semestre desse ano.

Exatamente no dia 29 de maio, acompanhado da sua mãe, a deputada federal Ana Arraes (PSB), e do então pré-candidato ao Senado, deputado federal Armando Monteiro Neto (PTB), Eduardo prestigiou Ozano numa inauguração no distrito de Russinhas e prometeu apoio a obras tidas como prioritárias pela gestão Ozano, como a construção do Parque da Cidade e a pavimentação de estradas (Gravatá-Passira e Gravatá-Uruçu Mirim), por exemplo. Ontem, Ozano disse esperar que seu posicionamento político não afete as parcerias entre município e Estado.

“Tenho confiança de que esses projetos serão implementados, independente de posição partidária”, afirmou o tucano. Para Jarbas, a permanência de Ozano em seu palanque não é surpresa. “Não foi surpresa. Ele deve ter sido bastante pressionado (pelo Palácio). Mas foi muito importante ele ter ficado conosco, ter mantido o apoio dele. Gravatá é um município importante”, registrou. Eduardo, por sua vez, minimizou o anúncio: “Eu nunca tratei de eleição com Ozano. Isso não é um fato”. Além de Jarbas, Ozano apoia a eleição dos candidatos ao Senado Marco Maciel (DEM) e Raul Jungmann (PPS).
(Jornal do Commercio).