Ceclin
mar 24, 2023 0 Comentário


App criado por estudantes de escola pública da Vitória de Santo Antão para ajudar a alfabetizar jovens e adultos é premiado em desafio nacional

Estudantes concorreram com mais de 300 alunos de todo o Brasil e como prêmio vão participar de evento internacional nos Estados Unidos.

Por Mário Carvalho, TV Globo

Alunos do Ensino Médio de uma escola pública da Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata Sul de Pernambuco, desenvolveram um aplicativo para ajudar na alfabetização de jovens e adultos e foram premiados num desafio nacional de inovação e tecnologia.

Os estudantes venceram a disputa, concorrendo com mais de 300 alunos de escolas públicas e técnicas de todo o Brasil e agora vão para os Estados Unidos participar de uma conferência internacional.

A ideia do aplicativo surgiu após se depararem com a informação de que nada menos que 11,8% da população de Pernambuco a partir dos 18 anos não sabe ler ou escrever, o que equivale a 810 mil pessoas.

Nas famílias de alguns dos alunos da escola têm pessoas que não sabem escrever. Foi mais um motivo para eles desenvolverem o aplicativo. “A gente teve essa ideia quando analisou a atual carência do Brasil, com um grande número de analfabetos. A gente se comoveu bastante com essa situação e teve a ideia do aplicativo”, explicou Anne Figueiroa, uma das alunas da equipe premiada, da Escola Técnica Estadual José Joaquim da Silva Filho.

O aplicativo criado pelos estudantes é intuitivo e fácil de usar. A intenção do grupo é que a pessoa que não sabe ler ou escrever consiga aprender o básico por meio dos exercícios que surgem na tela, que vão desde o alfabeto, até a leitura de livros com a ajuda da ferramenta.

“Quando a pessoa abre, nas páginas iniciais, primeiro tem um mapa dos níveis. Então, ela vai desbloquear desde o alfabeto, até palavras e expressões. Tendo, assim, um conteúdo de letramento para esse alfabeto. A gente tem um diferencial, que é uma biblioteca cultural”, detalhou Matheus Santos, também integrante da equipe.

A professora Inês Monteiro diz se sentir privilegiada por estar orientando o aprendizado dos estudantes. “Me sinto também privilegiada por estar contribuindo nesse momento, levando os estudantes a ter outras experiências e, ainda mais, vendo eles colocarem em prática tudo o que estão aprendendo no dia a dia aqui na escola”.

A viagem para os Estados Unidos dos cinco integrantes da equipe será patrocinada por uma empresa sucroalcooleira da região, onde o pai de um dos jovens trabalha como operador de produção.