Ceclin
dez 14, 2016 0 Comentário


Após 16 dias, chega ao fim greve de servidores públicos de Pernambuco

Servidores públicos votaram pelo fim da greve em Pernambuco. (Foto: Cynthia Ribeiro/Divulgação)

Servidores públicos votaram pelo fim da greve em Pernambuco. (Foto: Cynthia Ribeiro/Divulgação)

Trabalhadores de fundações, autarquias e secretarias do estado encerraram paralisação um dia após a reunião de negociação com a SAD-PE. Atividades são retomadas na quarta (14).

G1PE

Em assembleia nessa terça-feira (13), servidores públicos do Estado decidiram pelo fim da greve, que teve início no dia 28 de novembro. A categoria, composta por trabalhadores das fundações, autarquias e secretarias do Estado, encerrou a paralisação um dia após a reunião de negociação com a Secretaria de Administração de Pernambuco (SAD-PE). Os servidores retomam as atividades nesta quarta-feira (14).

De acordo com a presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Civis de Pernambuco (Sindserpe), Renilson Oliveira, 95% da categoria presente votou pelo encerramento da greve. “O governo não estava recebendo a gente, dialogando com os servidores. Quando foi possível reabrir o canal de negociação, nós conseguimos avançar. Houve um entendimento da parte do governo”, destacou Oliveira.

Com servidores de braços cruzados por duas semanas, órgãos como a Junta Comercial de Pernambuco (Jucepe), Instituto de Recursos Humanos (IRH), Fundação de Aposentadorias e Pensões dos Servidores do Estado (Funape), Instituto de Pesos e Medidas (Ipem) e Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase) não puderam realizar pagamento das pensões do Estado, fiscalização de balanças, supermercados, abertura de empresas, atendimento aos jovens sob custódia, entre outros serviços à população.

O G1 procurou a Secretaria de Administração de Pernambuco, que não se posicionou sobre o fim do movimento grevista. O presidente do sindicato explicou que três pontos foram acordados na rodada de negociação com o governo. O primeiro deve ser cumprido ainda em dezembro, com a regulamentação, por meio de decretos, do plano de cargos e carreiras prometido a alguns setores. Os outros dois pontos se referem à abertura de negociação sobre outros itens da pauta da categoria, agendada para o início de 2017.

“Em janeiro, serão discutidos os itens que não tem repercussão financeira. O que for acordado será encaminhado por meio de projeto de lei à Assembleia para aprovação logo no início do exercício legislativo. O que tem repercussão financeira será negociado a partir de fevereiro e encaminhado à Alepe quando for finalizada a negociação”, concluiu.