Ceclin
out 21, 2020 0 Comentário


Antônio de Lemos promete reformar mercados e asfaltar estradas rurais da Vitória de Santo Antão

Por Lissandro Nascimento

Candidato pela terceira vez ao comando da Prefeitura da Vitória de Santo Antão pelo Democratas (DEM), o empresário Antônio de Lemos Vasconcelos Neto, de 57 anos, e sua companheira de chapa, Teresa Cristina Priori Campello Mussalem, 65 anos, batizada nas eleições de 2020 como Teresa da Saúde, foram entrevistados na noite da terça-feira (20/10), pelo Blog do Cristiano Pilako.

Até o dia 29 de outubro, o vitoriense Blog do Pilako promove com exclusividade as sabatinas com todos os sete candidatos a Prefeito e Vice da Vitória. O veículo de comunicação é o primeiro até o momento a tomar essa importante iniciativa no pleito 2020, promovendo as entrevistas através de live’s via canal do seu Youtube.

Na oportunidade, o Blogueiro indagou alguns pontos do programa de governo registrado por Lemos no TRE-PE. O candidato destacou na parte de infraestrutura que fará a reforma dos quatro mercados públicos situados no Centro Comercial, bem como irá realizar cumprindo a legalidade, a reorganização da grande feira livre que circunda esses logradouros públicos. “Há 20 anos desde que entrei no mundo político como candidato os mercados e feira livre nada mudaram e foram abandonados pelas gestões que passaram”, crivou. Sobre a área rural, ele prometeu que as principais estradas rurais que ligam diretamente estas a zona urbana serão asfaltadas, porém não citou como terá dinheiro para essas obras, simplesmente disse que a Prefeitura de Vitória detém recursos suficientes para isso.

Vestido com a camisa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Antônio de Lemos repetiu diversas vezes que as obras são simples e fáceis de fazer, pois para isso conta com o apoio do governo Federal para levantar investimentos para obras públicas em Vitória, inclusive afirmou que para acabar com os constantes alagamentos na Av. Mariana Amália será fácil. “Abaixo da Avenida Mariana Amália há um fosso de esgotos e água pluvial. Basta numa obra séria levantarmos as placas de concreto que fazem o piso da principal via pública da cidade, e logo no subterrâneo construir as tubulações necessárias para o escoamento sanitário. Faço essa obra em seis meses, pois hoje tem dinheiro de sobra na Prefeitura para isso”, defendeu. Ele lembrou que José Aglaílson quando prefeito em 2001, pai do atual, não fizera sua parte diante do projeto federal da universalização do esgotamento sanitário de Vitória.

Falando pouco na sabatina, Teresa da Saúde quando indagada preferiu pormenorizar sua saída do atual governo Aglaílson Júnior (PSB). Ela foi Secretária de Saúde nos dois primeiros anos da gestão, quando foi substituída pela secretária atual. “Não tenho o que afirmar quanto a minha saída do atual governo. Fiz meu trabalho profissional e lá deixei inúmeros amigos, os quais contam com meu agradecimento”, respondeu. Instado a dar uma nota de 0 a 10 ao atual prefeito, Lemos lhe deu nota zero, com exceção do setor da Saúde, que para ele na parte das Unidades Básicas de Saúde (UBS’s) foram devidamente reestruturadas pelo governo municipal.

Os candidatos prometeram que o Programa Saúde da Família (PSF) será ampliado caso sejam eleitos, pelo qual farão centros de pequenas urgências no atendimento ao público em diversas localidades de Vitória. Antônio de Lemos aproveitou a entrevista para enviar um recado aos donos de hospitais na cidade. “Se a rede privada de saúde assegurar atendimento decente via SUS, não será necessário a construção de um hospital municipal. Caso contrário, tenho pessoalmente vontade política de ir atrás de parcerias para futuramente termos um hospital público”, asseverou. Teresa por sua vez buscou demonstrar cautela. “Imagine que uma UPA 24h. é um custo altíssimo para os cofres do Município. Acredito que primeiro temos que melhorar as condições do Hospital João Murilo para que de fato seja unidade regional e aí sim, depois, vermos a viabilidade de um hospital sob o comando da prefeitura local”, salientou a gestora.

Provocado por ter estado ao longo de 20 anos de sua carreira político-eleitoral em todos os palanques políticos de Vitória, Antônio de Lemos tergiversou. “Quando entrei eu não sabia o que existia de fato nos bastidores da política. No geral, as pessoas têm projetos individuais, o que nos frustrou. Para romper com isso, eu decidi novamente disputar o comando da Prefeitura”, explicou.

Dentre os pontos polêmicos além da saúde e da feira livre, Lemos fez questão de lembrar que sua proposta em governar Vitória será cuidar da mobilidade urbana. “No meu governo vamos promover concorrência pública nas concessões de todos os serviços, inclusive na questão do transporte urbano. Terminais de ônibus serão requalificados e todos os contratos serão analisados, além do que daremos uma especial atenção à qualificação junto aos motociclistas da cidade”, apontou o candidato. Ele ainda prometeu que se eleito implantará um Serviço de Monitoramento por câmeras de segurança em toda zona urbana de Vitória. Questionado de onde tirará recursos para bancar essa grandiosa ação, ele acredita que se trata de um projeto urbano barato. Quanto a Agência Municipal de Trânsito (AGTRAN), Antônio defendeu que o órgão precisa ser mais educativo do que punitivo.

Lemos também considerou que a Educação em Vitória é deficiente e lamentou que o Colégio Municipal 03 de Agosto, segundo ele, perdeu sua referência de ensino. O postulante a Prefeitura ainda afirmou que irá aderir ao programa federal que pretende implantar uma escola cívico-militar em Vitória.

Quanto à assistência social os candidatos asseguraram que contarão com programas que ajudarão a minimizar a desigualdade social em Vitória. “Na minha cidade faremos de tudo para não termos morador de rua”, prometeu Lemos.

Questionado por Pilako porque não conseguiu juntar a oposição em torno do seu nome na disputa a Prefeitura de Vitória e nem formar uma chapa completa do DEM para vereador, Antônio preferiu jogar para a platéia. “Quem sabe se os cinco candidatos que concorrem por fora dos dois tradicionais pólos políticos da cidade deverão se juntar adiante. A gente sabe que a chapa do atual prefeito estará logo em breve fora da disputa nesta eleição. Isso então poderá ser o ingrediente que falta para juntar todos nós”, previu Lemos, porém não disse o que, ventilou ele, vai acontecer com o registro da chapa de Aglailson & Henrique Queiroz.

MAIS RICO

O empresário Antônio de Lemos (DEM) é entre os candidatos a prefeito de Vitória o mais rico. Segundo sua declaração de bens entregue no TRE-PE, seu patrimônio soma o valor de R$ 3.293.636,75. Por sua vez, a vice Teresa da Saúde, servidora pública na área da Saúde do Estado, formada ainda em Direito e Engenharia Civil, declarou não possuir qualquer patrimônio. Lemos é divorciado, tem 06 filhos e 03 netos, e concluiu o ensino médio. Na Associação Comercial, Industrial e Agropecuária de Vitória (ACIAV), Lemos exerce atualmente a presidência.

A primeira disputa eleitoral de Antônio Lemos foi em 2000 quando competiu a Prefeitura de Vitória, sendo o terceiro mais votado, repetindo o feito em 2004. Lemos já disputou para deputado federal e obteve 21.850 votos no Estado, sendo 14.624 destes em Vitória, sendo o majoritário no pleito de 2006 na cidade. Em 2016, foi candidato a vice-prefeito na chapa com Henrique Filho, este atual deputado estadual, hoje aliado ao PSB.