Ceclin
ago 27, 2015 0 Comentário


ALEPE: Crescimento do número de assaltos em agências bancárias motiva Audiência Pública

bancos-07-300x225Pernambuco já contabiliza 35 assaltos à mão armada em agências bancárias somente este ano, de acordo com o Sindicato dos Bancários do Estado. O índice é mais que o dobro do verificado em todos os meses de 2014 (14 assaltos). Visando buscar soluções para barrar o crescimento desses casos e também aprimorar o Projeto de Lei nº 2.032/2014 – que tem por finalidade melhorar as condições de segurança nas instituições bancárias –, a Comissão de Finanças realizou Audiência Pública, na última quarta (26).

Presidente do colegiado e autor da matéria em questão, o deputado Clodoaldo Magalhães (PSB) destacou a relevância de discutir possíveis correções da proposta. “Hoje, conseguimos reunir todos os atores importantes no debate sobre a segurança bancária, a fim de que o projeto seja exequível e contribua para a efetiva segurança das pessoas”, avaliou.

Entre outras medidas, o PL restringe o horário de operação dos carros-fortes, para o período das 22h às 8h, e obriga a presença de vigilantes em locais com caixas 24 horas. Como itens obrigatórios para esses profissionais são enumerados colete à prova de bala, arma de fogo e não letal, assento apropriado e escudo de proteção. Para a segurança dos clientes, fica estabelecido que a distância entre o estacionamento e a agência não pode ultrapassar dez metros.

À frente da Delegacia de Roubos e Furtos, o delegado Mauro Cabral destacou que a fragilidade do sistema de segurança tem contribuído para o surgimento de um novo perfil de assaltantes. “Antes, os crimes eram cometidos por quadrilhas experientes, com armas de grande calibre e ficha criminal extensa. Agora, os assaltos estão sendo realizados por pessoas que simulam estarem armadas e, muitas vezes, sequer têm passagem pela polícia”, afirmou. O mau posicionamento e a distração dos vigilantes foram apontados como vilões.

Representantes da Federação Nacional dos Bancos (Febraban) se posicionaram contrários a alguns pontos do projeto, como a permanência de vigilantes em caixas 24 horas. “Não há ocorrências significativas nesses caixas durante a madrugada, já que o valor do saque é limitado a partir das 22h”, justificou o diretor-setorial de Segurança Bancária, Pedro Oscar Viotto. Pernambuco conta com 5.525 caixas eletrônicos.

Outro ponto questionado foi o horário estabelecido para operação dos carros-fortes. Na avaliação de Andrea Yoshikai, da Associação Brasileira das Empresas de Transporte de Valores (ABTV), “essa norma pode institucionalizar o horário dos assaltos”. Ela também destacou a ausência de estudos sobre roubos e assaltos a banco para orientar a atuação da categoria.

Presidente do Sindicato dos Bancários de Pernambuco, Suzineide Rodrigues sugeriu que a proposição seja complementada com a Lei Municipal nº 17.647/2010, do Recife: “Avalio que alguns itens de segurança podem ficar mais claros no projeto do deputado, como a utilização de biombos e vidros blindados”.

Ao final da Audiência Pública, Clodoaldo Magalhães ressaltou que “os encaminhamentos do encontro serão dados durante o período de tramitação do projeto, a fim de que a matéria seja exequível e contribua para a efetiva segurança das pessoas”. Desarquivado nesta Legislatura, o PL 2.032 passará pelas Comissões de Justiça, Cidadania, Administração Pública e Desenvolvimento Econômico antes de ser votado no Plenário.

Com Informações da Assessoria