Ceclin
jul 04, 2017 0 Comentário


“AJa” D$NHE$RO na Prefeitura de Vitória!

Com tanto dinheiro guardado nos cofres da Prefeitura de Vitória, tudo indica que Aglailson Júnior quer dar passos de dança dobrados em 2018. Foto: Divulgação / Portal PMV

Com tanto dinheiro guardado nos cofres da Prefeitura de Vitória, tudo indica que Aglailson Júnior quer dar passos de dança dobrados em 2018. Foto: Divulgação / Portal PMV

Por Elias Martins

180 dias de Gestão na Prefeitura da Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata, e um crescimento de receita entre Janeiro e Junho 2017, invejável.

                A previsão de acumulação da inflação nos primeiros seis meses de 2017 é de 1,6% e o crescimento da receita líquida de Vitória de Santo Antão ficará em torno de 11%.
Receita Líquida Acumulada – Jan/Jun. 2016 – R$ 111.000.799,43.

                                                                               Jan/Jun. 2017 – R$ 123.115.955,68.

                É claro que grande parte se refere a Transferências Constitucionais.  Nos seis primeiros meses foram R$ 114.594.213,20 do total da receita do Município.

                Apreciem a tabela abaixo pela ordem de importância aos cofres da Prefeitura de Vitória:

Tabela PMV 2017

Existem pontos positivos e negativos a se relatar.

O destaque positivo está para a Receita de ICMS, que a partir da chegada das grandes fábricas em 2009, cresceu 397,5% no período (Junho 2009 à Junho 2017) contra uma inflação de apenas 63,24%, e é líder disparada da composição da receita anual de Vitória.  Na época, o ICMS era a 3ª melhor receita, representando 59,58% do volume do FPM do mesmo período. Hoje, o ICMS Vitoriense é maior 44,24% que o FPM.

O Negativo são as despesas fixas do Município com 31 (Procuradores, Auditores e Fiscais Tributários) dos aproximadamente 2.500 servidores efetivos, pois custaram mais de R$ 6 milhões de Reais nos últimos 06 meses. Um absurdo que não canso de relatar, mas sai prefeito, entra prefeito, e o Município e a sociedade vitoriense continua fechando os olhos a esta sangria feita mensalmente em sua conta corrente principal.

Alguns tentam se defender ou defender o governo atual, usando o escudo temporário de 180 dias (Não dá tempo de fazer algo importante).

Mais uma vez, elege-se um governante que aparenta não ter a mínima noção de planejamento.  A cidade deverá ter receita final em torno de R$ 260 milhões em 2017, e o que vemos é um governo estabanado, sem noção do que fazer com todo esse volume de recursos, somado a lerdeza de solução aos problemas que travam a possibilidade de vermos eficiência e eficácia na utilização dos recursos que transitam no cofre municipal, ano a ano.

Tirando os problemas estruturais e funcionais que o governante anterior deixou, o atual mais uma vez não se mostra com coragem de resolver – Mega desperdícios em folha de pagamento, e mudanças nas regras da Previdência Própria (VitóriaPrev) -, todas imediatas e intragáveis aos atuais beneficiários.

Exemplos:

1.       O Município precisa de apenas aproximadamente 84 mil horas aula/mês para rede de 16.500 alunos no Ensino Fundamental, e apresenta uma remuneração em torno de 156 mil horas, e a Executiva Educacional vive batendo cabeça com ausência de professores nas escolas da rede municipal de ensino.  Os desperdícios mensais podem chegar à R$ 1,5 milhão mês, de uma folha bruta atual de R$ 4,2 milhões aproximadamente, e muitos alunos sem aula, quase ao término dos primeiros 100 dias letivos, de 200 no total;

2.       O VitóriaPrev continua sem mexer na sua bondosa legislação que pode tornar os problemas de caixa irreversíveis até o final deste mandato.  Mesmo pagando as folhas em dia, o atual prefeito pode estar devendo algo em torno de R$ 8 milhões, se não estiver passando os R$ 3,7 milhões de repasse obrigatório, conforme a legislação em vigor.

Eu particularmente começo a ter minhas dúvidas quanto ao Legado que o atual governo deixará para os vitorienses, ao final de 31.12.2020.

Uma coisa é certa, não só para Vitória de Santo Antão. Se qualificar servidores para o Planejamento das ações, por mais dificuldades que surjam, o dinheiro vai aparecer para solucionar grande parte dos mais diversos problemas inerentes às funções básicas de um município.

Agora só nos resta Opinar, Criticar e Torcer.

Elias Martins (14.444)

 

 

Por Elias Martins, 

consultor de Gestão Pública e Colunista do Blog.