• Ceclin
mai 15, 2008 5 Comentários


Aglailson tenta atrair a esquerda

Lissandro e Osmar – PCdoB: “Vitória precisa de um choque de gestão”.
Determinado em atender ao pedido do Governador Eduardo Campos (PSB), o ex-prefeito José Aglaílson (PSB) intensifica contatos para tentar conquistar os apoios do PT e PCdoB para o palanque da majoritária do seu partido que tem como pré-candidatos o atual Prefeito Demétrius Lisboa e o médico Edvaldo Bione, como vice.
O governador de Pernambuco tem sinalizado que deseja toda a sua base aliada unida para as eleições 2008. E orientou Aglaílson para não medir esforços a fim de conquistar estes partidos, além do PDT.
Já houve uma reunião com o vice-presidente do PT local, advogado Aristides Félix Júnior, onde a sua tendência partidária ficou simpática a aproximação. Houve ainda uma conversa semana passada com o presidente do PT, empresário Jaílton Albuquerque, que se mostrou distante da proposta de aliança defendida pelo PSB.
Com os contatos já deflagrados com os dirigentes do PCdoB, José Aglaílson aguarda uma conversa formal para convidar oficialmente o partido para o seu palanque. Segundo Osmar Berto, vice-presidente do PCdoB da Vitória de Sto. Antão, o partido tem procurado construir um bloco de esquerda que viabilize a disputa de vagas para vereador e uma terceira via na cidade o qual “a princípio nos parece que esta aliança proposta não viabiliza esse desejo”.
Para o comerciante Osmar Berto “Vitória precisa de um choque de gestão. Nestes dois mandatos do PSB não houve a construção de um modelo avançado, repetiu-se o feijão com arroz, apesar do governo ter feito algumas ações positivas, ele carece de um formato mais democrático”. Questionado que caráter seria esse, completou: “Será preciso preparar um projeto de intervenção urbana que atenda a demanda de investimentos que advém para a cidade. Não há gestão democrática na rede municipal de ensino, não há discussão do orçamento público. Não se percebe um comprometimento de ação urbana e rural que eleve as condições de vida do povo vitoriense. Se for nesse formato, estamos abertos para a construção de uma ampla frente democrática”, defendeu Osmar.
Sobre o fato do PSB procurar os partidos ideológicos em Vitória o Osmar Berto lembrou: “Nunca fomos chamados para contribuir. Sempre achamos que a gestão atual carece de sinais democráticos. Não se faz governo apenas com grupo familiar. A prova de sucesso da experiência de gestão democrática é o governo de Lula e de Eduardo”, ressaltou ele.
“O PCdoB em todos estes anos na cidade sempre defendeu a terceira via, porque entendemos que a cidade precisa sair desta prática política do século 19 e deve procurar experimentar uma nova atitude política que defenda um governo popular comprometido com o desenvolvimento sempre esperado pelo seu povo”, disse Osmar Berto. O grupo de Aglaílson conta até o momento para a disputar a prefeitura apenas o PSB, PMN e PTN.

da Editoria Política.