Ceclin
set 21, 2008 17 Comentários


Aglaílson Júnior presta queixa; Queiroz entra com representação

A troca de farpas, acusações e agressões físicas perpetradas pelos parlamentares Aglaílson Júnior (PSB) e Henrique Queiroz (PR) só começaram.

Após a discussão por volta das 16:30 horas deste sábado (20), na Av. Miguel Arraes (antiga Estrada Nova) no bairro do Maués, em Vitória de Santo Antão, motivada pela disputa de quem convencia mais moradores a colocar as bandeiras de campanha nos telhados das residências da localidade, os deputados que são da base aliada do Governador Eduardo Campos (PSB) na ALEPE, romperam relações em virtude da acirrada disputa política na sucessão municipal.
Em contato com o Dep. Henrique Queiroz (PR) o Blog pediu a versão do parlamentar. Lamentando o ponto que chegou a campanha política em Vitória, não esperava que o socialista chegasse a tal extremo ato, que atenta inclusive contra a democracia. “Eu visitava alguns amigos na localidade e na medida que as pessoas consentiam nós colocávamos as bandeiras nas casas que simpatizam com as propostas da coligação ‘Vitória bem administrada’. Quando conversava com três senhoras, estava eu, de costas para a rua, quando fui surpreendido pelo colega parlamentar me agredindo verbalmente e moralmente”, contou o republicano.
Ele citou ainda que quando o carro do Dep. Aglaílson Júnior estacionou no meio da rua, este desceu e partiu para a agressão. Afirmou que um homem, que é do conhecimento de todos que se trata de um policial, acompanhava o socialista que também contava com a presença do Diretor de Trânsito da Prefeitura local – conhecido por “Macarrão” e o filho do deputado Aglaílson Júnior. O policial que estava folgando, tomou as dores do socialista. “Ele apontou a sua arma em direção a minha pessoa. Só não atirou porque os moradores não deixaram”, relatou Queiroz.
Abalado com a situação, o Dep. Henrique Queiroz relatou que o policial chegou a quebrar a perna de um rapaz que se atirou na sua defesa. “Ele colocou o braço no pescoço do rapaz (deu uma gravata) e lhe imobilizou com um chute, quebrando a perna do rapaz que se atirou na minha frente”, lamentou o republicano.
O deputado Henrique Queiroz foi até a Delegacia Municipal e registou um Boletim de Ocorrência contra o deputado Aglaílson Júnior. Após, ainda no sábado, se dirigiu até o Hospital Regional João Murilo para fazer o ‘corpo delito’. No entanto, o Hospital recebeu uma ligação solicitando que fizesse este procedimento em outro hospital, o qual, segundo esta ligação que não conseguimos identificar, fazia a sugestão que o parlamentar fosse encaminhado para o Centro Hospitalar Santa Maria, no bairro do Livramento.
Perguntado quais as medidas que iria tomar, Queiroz afirmou ao Blog que já comunicou o fato ao presidente da ALEPE, dep. Guilherme Uchôa (PDT), ao Governador do Estado – Eduardo Campos (PSB), bem como aos comandantes do 21º BPM e demais órgãos policiais.
Ele falou que entrará com uma Representação na Assembléia, próxima segunda-feira, contra Aglaílson Júnior por entender que isto não é postura de parlamentar.
Neste caso só há um perdedor: A democracia.
O pior deste ato condenável foi a afronta, presenciada por vários moradores, de um policial que não estava em serviço apontar a arma de modo questionável. Devemos considerar isto como um ato contra a democracia. Se não há respeito com um deputado que é o mais antigo em mandatos da Assembléia Legislativa de Pernambuco, independente de sua postura política, o que acontecerá com os demais, cidadãos simples?

AGLAÍLSON JÚNIOR

Esteve agora há pouco na Delegacia Municipal da Vitória de Sto. Antão o deputado estadual Aglaílson Júnior (PSB). Ele prestou uma queixa contra o deputado Henrique Queiroz (PR) e afirmou no Boletim de Ocorrência que o agredido foi ele.
Segundo o correspondente deste Blog, José Sebastian, o socialista declarou aos policiais de plantão que o dep. Henrique Queiroz lhe agrediu. “Ele rasgou a minha camisa e causou uma lesão no meu pescoço”, declarou Júnior.

Acusou o republicano de que ele estava comprando votos na localidade. “Ele estava comprando votos e pedindo para os moradores retirarem as bandeiras do prefeito Dedé. Depois pegava as bandeiras para rasgá-las e chegou a tocar fogo em uma delas”, declarou o socialista no B.O.

Sobre a presença do policial, ele atestou no B. O. que o policial estava à paisana, onde este agiu como a prudência requer no momento: “Ele agiu na situação para conter as agressões. O policial agiu para acalmar os ânimos. A situação foi contida pelo policial”, conforme relatado.

O Blog não conseguiu falar com o Dep. Aglaílson Júnior. Segundo apuramos de pessoas ligadas ao deputado do PSB, o fato fugiu do controle em virtude do Dep. Henrique Queiroz “agir contra a vontade do povo”, citou a fonte. “Todos sabem que eles estão tirando nossas bandeiras e tocando fogo. Júnior foi para lá para pedir que o Henrique parasse com isso”, confessou a fonte.

LEIA MAIS: http://avozdavitoria.blogspot.com/2008/09/deputados-da-base-de-eduardo-se-agridem.html

por Lissandro Nascimento,
colaboração de José Sebastian.