Ceclin
out 07, 2021 0 Comentário


Acontece a 23ª edição do Palco Giratório com programação online

Etapa nacional do Festival vai acontecer até 16/10 com 17 apresentações ao vivo, incluindo dois espetáculos pernambucanos

Dois espetáculos pernambucanos estão na programação da 23ª edição do Festival Digital Palco Giratório. Roda, de Rapha Santa Cruz, e Meia-Noite, de Orun Santana, estão entre as 17 transmissões ao vivo que o projeto vai exibir no Youtube Sesc Brasil de forma gratuita. Elas vão substituir o circuito que, antes da pandemia, rodava o País de forma presencial. Os espetáculos são dos grupos selecionados para a edição de 2020 e vão acontecer até o próximo dia 16.

O grande diferencial deste ano é a forma de construção da programação. Os espetáculos serão realizados presencialmente nos teatros do Sesc nos estados (sem público) e transmitidos para todo o Brasil. Em Pernambuco, o espetáculo “A Roda” foi transmitido no dia 02/10 ao vivo e “Meia-Noite”, no dia 11, ambos diretamente do Teatro Marco Camarotti. Se por um lado o artista não terá contato físico com a plateia, em função da necessidade de isolamento social, por outro, as transmissões vão dar a oportunidade dos grupos ampliarem sua visibilidade e serem vistos por um público muito maior, pois a plateia poderá estar em todos os lugares ou regiões do País.

imagem: Roda, com Rapha Santacruz – foto Max Levay

Os espetáculos foram selecionados por uma curadoria nacional e permanecerão nos canais da Instituição até janeiro de 2022. Além das 17 transmissões ao vivo, o Palco Giratório contemplará 190 horas de oficinas, 97 debates (pensamentos giratórios) e 132 intercâmbios, todos em modo remoto e relacionados aos 17 espetáculos do circuito nacional. Serão disponibilizadas também 131 apresentações de grupos regionais, que ficarão disponíveis até novembro, também de forma online.

“A nossa expectativa é promover a conexão entre os meios digitais de difusão da cultura em ações locais, porque ainda temos medidas de isolamento em muitas cidades. Temos certeza de que o projeto vai dinamizar diversos setores da economia criativa, gerando trabalho e renda para as pessoas que impulsionam as artes cênicas no País, sobretudo neste momento de crise, ampliando ainda mais o papel social do Sesc.  Oferecer à sociedade uma programação totalmente renovada ajuda a dar visibilidade àqueles trabalhos que se destacaram durante o ano pela qualidade técnica e pela capacidade de expressar questões contemporâneas”, explica Raphael Vianna, analista de artes cênicas do Departamento Nacional do Sesc.

Reconhecido no cenário cultural brasileiro como um importante projeto de difusão e intercâmbio das artes cênicas desde 1998, o Palco Giratório intensifica a formação de plateias a partir da circulação de espetáculos dos mais variados gêneros e promove a troca de experiências por meio de uma vasta programação.  Este ano, artistas e públicos de diferentes regiões do País estarão conectados em salas virtuais para dialogar sobre essa história.

A realização do Palco Giratório neste formato digital demonstra a força do projeto como uma política inovadora e pluralista de incentivo às artes cênicas, profundamente impactadas pela pandemia no Brasil. Neste ano, mesmo reconhecendo a perda do valor presencial das ações, a expectativa é conquistar um número maior de espectadores a partir da ampliação de acesso gerada pela transmissão via internet.

SERVIÇO – Festival Digital Palco Giratório
Data: até 16 de outubro
Exibição: Youtube Sesc Brasil –  https://www.youtube.com/user/SescBrasil

Programação

07/10, às 20h – Sobre azares futuros (MA), do Grupo Budejar Criações Artísticas
Sinopse: Um prólogo. Quatro cenas. Uma atriz. Cinquenta minutos de narrativas políticas e poéticas, singelas, dolorosas e alegres, sobre ser mulher no mundo, sobre as lutas diárias do universo feminino. Os azares futuros; os assédios; o aborto; a maternidade e o direito sobre o corpo; são essas as questões em debate, na cena, no corpo e nas marcas da atriz. Composto por uma estrutura dramatúrgica fragmentada, com cenas independentes e com uma estética que propõe cortes secos, picos de alegria, mas sem finais felizes, o espetáculo gera um fio de tensão, questiona, indaga e propõem cenas reflexivas sobre o feminino e as relações de poder no cotidiano da mulher.

08/10, às 20h – O vazio é cheio de coisa (DF), do Grupo Cia Nós No Bambu
Sinopse: Num vazio, se desenrola uma dramaturgia ilustra por meio da poesia, da pele, do vegetal, do gesto, do olhar, do som e da luz.

09/10, às 16h – O circo a céu aberto (RJ), do Grupo O circo a céu aberto
Sinopse: O espetáculo “O circo a céu aberto” resgata nos espaços públicos a atmosfera poética do encontro, do aplauso, do sorriso, do despertar para a imaginação, por meio da linguagem do palhaço, da comédia física e da arte de rua. O resultado é uma catarse coletiva de gargalhadas, transformando os espectadores, independentemente de idade ou perfil social, em crianças ao redor de um picadeiro, debaixo de um circo sem lona.

10/10, às 20h –   Interior (CE), do Bagaceira de Teatro
Sinopse: “Interior” traz para a cena duas velhinhas que insistem em não morrer. Elas já cruzaram diversas gerações e sabem tudo a respeito da vida. Dão conta de todas as histórias prováveis e improváveis. O espetáculo nos convida a um olhar criativo e amoroso perante a vida, onde o impossível é mero detalhe. Com muito bom humor, “Interior” é irreverente e, ao mesmo tempo, singelo. Cheio de afeto, igual a bolo feito por avós.

11/10, às 20h – Meia noite (PE), do Grupo Orun Santana
Sinopse: O espetáculo explora a capoeira como elemento criador e motivador do movimento, construindo um procedimento de uso de imagens/memória do corpo do dançador, dialogando dramaturgicamente a relação pai e filho, mestre e discípulo, sendo o intérprete filho do mestre Meia-noite (mestre de capoeira co-fundador do Centro de Educação e Cultura Daruê Malungo, na periferia do Recife), aspectos da ancestralidade pessoal colocados em evidência, revelando princípios motores e do imaginário poético-político do corpo negro na cena.

12/10, às 16h ­- Boquinha….e assim surgiu o mundo – teatro infantojuvenil (RJ), do Grupo Coletivo Preto
Sinopse: “Boquinha… E Assim Surgiu O Mundo” une teatro, circo e música para falar sobre o surgimento do mundo segundo diferentes culturas. O espetáculo se passa no sótão da casa do menino João Vicente (Orlando Caldeira), onde ele encontra uma caixa com as pesquisas de seu avô escritor. Através dessas pesquisas, João Vicente e Boquinha, um pequeno ser feito de dobraduras de papel, viajam pelas culturas cristã, africana, chinesa, pela cultura dos índios brasileiros e pela ciência, para entender como o mundo foi criado.

13/10, às 16h – Enquanto a chuva cai (PR), do Grupo Cia. Fluctissonante
Sinopse: Encenada em Português e Libras simultaneamente e voltada a integração do público surdo e ouvinte na plateia, a peça acompanha o encontro e a aproximação de duas crianças órfãs dentro de uma casa em ruínas durante a guerra. A menina se comunica utilizando a Libras e o menino, a Língua Portuguesa. Numa guerra, um amigo é como uma fonte no deserto. A barreira linguística, portanto, não pode ser um empecilho para que os dois personagens se tornem amigos e cúmplices na luta pela sobrevivência. Assim, em delicados jogos de cena, com brincadeiras simples e ternas, a aparente barreira entre os dois é resolvida e a comunicação entre eles acontece.

14/10, às 20h­ – Terreiro Envergado (PB), do Grupo Coletivo Tanz
Sinopse: Terreiro envergado é uma obra construída na relação que estabelece com o público, uma sucessão de pequenos ritos cotidianos, ressignificados no corpo e no lugar, em constante transformação. Inspirado livremente nos ecos das obras do escritor Paraibano José Lins do Rêgo em sua série sobre o ciclo da cana de açúcar. Nesse terreiro “circulam” ambulantes, bêbados, brincantes entre outras figuras místicas que povoam o imaginário popular e que nos convidam a dividir o mesmo espaço, seja palco ou praça para celebrar o encontro. Um verdadeiro caleidoscópio de imagens e sons que se traduzem no corpo atravessado e recortado pela força midiática e memória pessoal dos intérpretes.

15/10, às 20h – Ícaro (RS), do Grupo Luciano Mallmann (LM PRODUCOES)
Sinopse: ÍCARO é acima de tudo um espetáculo sobre a diversidade humana. Em cena um único ator e histórias que abordam temas universais, como relacionamentos entre pais e filhos, resiliência, relações amorosas, suicídio, preconceito, gravidez e maternidade. O ponto em comum: todas são depoimentos ficcionais de pessoas cadeirantes. Dramas que se tornaram espetáculo pelas mãos do gaúcho Luciano Mallmann, que estreia como dramaturgo e interpreta todas as personagens.  A inspiração partiu das próprias experiências do autor e de pessoas que conheceu depois que passou a usar cadeira de rodas, quando sofreu um acidente com acrobacia aérea de circo em 2004.

16/10, às 20h – Salão (BA), do Grupo Casa 4
Sinopse: Amor, breguice e viadagem conduzem o ‘dois pra lá, dois pra cá’ de Salão, primeiro espetáculo do coletivo Casa 4. Em cena, busca-se repensar os estereótipos de gênero que tradicionalmente envolvem as danças de salão e excluem outras possibilidades de dançar a dois.