• Ceclin
fev 03, 2014 0 Comentário


ABTV propõe união de blocos e troças para dinamizar o Carnaval de Vitória

Bruno, Pierre, Nildo e Jonatha garantiram a pluralidade musical da Feijoada da ABTV. Fotos: A Voz da Vitória/Equipe

Abrindo os preparativos para o Carnaval 2014 da Vitória de Santo Antão no último sábado (1º), no Restaurante Gamela de Ouro, a Associação de Blocos de Trio Elétrico da Vitória (ABTV), promoveu a 3ª edição de sua festiva Feijoada. O evento contou com a participação da imprensa local, artistas da terra, orquestra de Frevo, patrocinadores e foliões, além dos dirigentes de Blocos e Troças do Carnaval vitoriense.

Um dos momentos mais esperados do evento foi a entrega das homenagens a grandes personalidades do passado e do presente, entre eles os carnavalescos falecidos recentemente, Sérgio Tarso e Lêda Costa, assim como o artista Duda da Passira, através de seus familiares, receberam as devidas homenagens. O Clube de Fados Taboquinhas, representado pela sua diretoria, recebeu uma estatueta simbolizando a passagem dos seus 90 anos. Os atuantes carnavalescos Elminho Ferrer (Troça ETsão) e José Varela (Clube dos Motoristas) também foram festejados pelos relevantes serviços prestados ao Carnaval de Vitória.

Para Charles Romão, presidente da ABTV, espera-se que o Carnaval 2014 da Vitória de Santo Antão cumpra sua histórica função de assegurar sua identidade cultural. Romão teceu críticas a forma como vem sendo conduzida as decisões em torno da logística do Carnaval vitoriense, lamentando que as troças carnavalescas que são exemplos de organização e compromisso com a genuína Festa de Momo, estejam subordinadas a uma entidade inerte para intervir junto ao Poder Público. Ele se referiu a Associação do Carnaval Tradicional Vitoriense (ACTV) que perdeu sua legitimidade após a morte do seu fundador Paulinho Oliveira. “Seria bom e urgente que as troças se unissem para ter uma entidade mais forte, pois só assim, a ABTV poderia ter mais um aliado para todos termos um carnaval plural e mais participativo”, avaliou Charles Romão. Vários dirigentes criticaram a condução que vem sendo tratado o percurso do desfile dos blocos e troças e aguardam uma reunião para definir a respeito no próximo dia 05 de fevereiro.

Nenhum representante do Poder Executivo vitoriense compareceu ao evento. Do Poder Legislativo estavam presentes Dr. Saulo Albuquerque (SDD), Novo da Banca (PSD) e o Prof. Edmo Neves (PMN) – Presidente da Câmara de Vereadores da Vitória.

Durante a feijoada, quem comandou a festa foram os artistas que teve Bruno e Márcia Barros como cicerones. Um dos momentos mais emocionantes foi quando se formou o quarteto entre Bruno, Nildo Ventura, Pierre e Jonatha Chocolat, interpretando grandes sucessos do Frevo pernambucano. Vale destacar ainda a presença da Orquestra Ciclone, do Maestro Givaldo Barros, que agradeceu com muito frevo a homenagem prestada neste sábado, pelo que se tornou na atualidade a tradicional Troça ETsão e ETsuda no sábado de Zé Pereira em Vitória, sempre arrastando uma grande multidão pelas ruas da cidade e é hoje uma das maiores e melhores Troças do Carnaval de Vitória. Para Elminho Ferrer, presidente do ETsão, este declarou em seu pronunciamento na Gamela de Ouro, o fato da Troça hoje ser um patrimônio do povo de Vitória. “Antes o divisor do carnaval vitoriense era a Girafa, Cebola Quente e Camelo, hoje não se consegue registrar o Carnaval de Vitória se não tivermos o ETsão. O fato é que hoje o sábado de Carnaval com o ETsão representa uma legítima agenda para brincar os outros dias em Vitória e região”, avaliou Elmo Ferrer, anunciando que em 2014 a Troça vai contar com duas orquestras: Ciclone e A Venenosa.

Ciente que hoje há uma dependência dos Trios Elétricos em paralelo com as Troças com Orquestras de frevo, o Carnaval de Vitória vai se redesenhando para um novo formato, e isso se desenvolve à margem do Poder Público. Quem sempre fez e continua fazendo o tradicional carnaval de Vitória é o povo. Sabendo desta singularidade, as entidades que congregam os guerreiros diretores destas agremiações precisam se unir e discutir os novos desafios que se colocam diante do Carnaval da Cidade, para evitar em médio prazo que nós percamos um dos grandes patrimônios da Terra das Tabocas.

Confira as imagens…