Ceclin
ago 12, 2009 1 Comentário


A volta ao estudo através do Telecurso

Mônica Silveira, Rede Globo.

Na escola Senador João Cleofas de Oliveira, no município da Vitória de Santo Antão, o teatro entrou na sala de aula para ajudar os professores a ensinar e realçar o senso crítico dos alunos.

Imagine a surpresa do professor Antônio Arnaldo, coordenador do grupo, quando descobriu que um dos atores, Cayo, de 24 anos, não estudava há cinco. “Quando eu descobri que Cayo não estava na sala de aula eu disse: ‘para continuar no grupo de teatro tem que voltar a estudar'”.

Ficou decidido: Cayo poderia manter a vida de artista, mas não passaria mais nenhum dia fora da sala de aula. Fez um teste e a direção do colégio considerou que estava apto a iniciar o ensino médio. Foi exatamente o que ele fez.



Todos da nova turma de Cayo já eram adultos. Eles foram beneficiados pelo ‘Travessia’, um programa de aceleração do estudo que usa o material do Telecurso, da Fundação Roberto Marinho.

Através de uma parceria, o programa é oferecido nas escolas públicas de Pernambuco. Jussara Célia de Araújo, dona de casa, tem 44 anos. “Eu estava a 27 anos parada no tempo e de repente veio um incentivo tão bom com o ‘Travessia’ e a gente chegou junto e viu que estava na hora de buscar aquilo que nos perdemos há um tempo atrás”, afirma a estudante do ‘Programa Travessia’.

Durante o curso, Cayo não deixou de atuar no teatro nem de trabalhar, no Recife, a 40 quilômetros da escola. Ele faz figurinos e cenografia para peças, é ilustrador e escreve livros.

Entre os colegas, teve a companhia de Joselita Alves dos Santos: quatro filhos, sete netos. Ela acabou de ser aprovada para a faculdade de pedagogia. “Eu casei muito cedo, não pude trabalhar, nem estudar porque o meu marido não deixava. Depois a gente se separou. Foi quando eu tive a minha oportunidade”.

Joselita tem o maior orgulho do diploma e das notas que tirou durante o curso. Em um ano e meio, toda a turma completou o ensino médio. “Muitas portas se abriram. O ‘Projeto Travessia’ veio realmente mudar a vida não só minha, mas de muitos alunos. Hoje eu posso concluir uma faculdade tranquilamente com os pés no chão. Agora é bola para frente, escrever muitos livros, ilustrar, desenhar”, afirma o estudante do ‘Programa Travessia’, Cayo Oman.
(Portal G1)