Ceclin
jul 09, 2008 7 Comentários


15 de julho: Fórum pela Vida do Tapacurá

O que é o Fórum Permanente pela Vida na Bacia do Tapacurá

Não é preciso falar sobre a importância da água para a vida das pessoas e de todos os seres vivos, pois todos nós já experimentamos, de certa forma, as dificuldades geradas por sua falta. Pelo mesmo motivo, também não é preciso falar da dificuldade crescente de se obter água limpa, de qualidade, principalmente em Pernambuco, pois somos o estado do Brasil que tem a menor disponibilidade hídrica por habitante.
Por outro lado, as águas da bacia do Tapacurá abastecem cerca de 30% da população da Região Metropolitana do Recife, além dos serviços prestados às populações e empreendimentos ribeirinhos.
As autoridades estaduais reconhecem que a poluição crescente do Tapacurá vem se agravando, encarecendo o tratamento da água, chegando algumas vezes a obrigar a COMPESA a suspender a captação de águas pela presença excessiva de algas tóxicas. No entanto, não existiam, da parte dos poderes públicos estaduais e federais, iniciativas organizadas de combate às fontes de poluição na região e difusão de comportamentos ambientalmente corretos. A relação com o rio e o meio ambiente, e a prática constante de atividades agressivas e destrutivas dos recursos hídricos locais, demonstram também apatia, omissão, ausência de participação cidadã.
Em 2004, a Sociedade Nordestina de Ecologia (SNE), em parceria com o Serviço de Tecnologia Alternativa (SERTA), conquistaram junto à Petrobras apoio para realização do Projeto Reflorestágua, na expectativa de contribuir para reverter a situação de degradação do rio e das matas ciliares, com apoio da sociedade local, tendo por base uma amplo processo de mobilização social e de educação ambiental.
Neste contexto foi criado, no dia 28 de abril de 2006, em Vitória de Santo Antão, o Fórum Permanente pela Vida na Bacia do Tapacurá, com o objetivo de contribuir para a recuperação ambiental da bacia do rio Tapacurá e a melhoria das condições de vida da população que nela vive, articulando interesses das pessoas e instituições que vivenciam e sofrem a problemática ambiental local, bem como dos órgãos que têm como missão a melhoria socioambiental do território da bacia.
O Fórum, antes restrito aos municípios de Pombos e Vitória de Santo Antão, já realizou nove reuniões e contribuiu de forma decisiva para solucionar ou minimizar alguns impactos ambientais nestes municípios, como: o despejo de manipueira nos rios pelas casas de farinha de Pombos; o lançamento de efluentes pelo Matadouro da Vitória de Santo Antão; a carência do abastecimento d´água em Pombos; a ineficiência do sistema de tratamento de esgoto de Pombos; e, as dragas que retiram areia de forma ilegal nas margens dos rios da bacia. Todos estes avanços só aconteceram graças à participação ativa de diversas pessoas, representando entidades da sociedade civil, de empresas e de órgãos públicos. A participação de cada um fortalece a ação de todos.
Nesta nova fase do Reflorestágua, em que o Projeto foi reeditado, estamos ampliando a atuação do Fórum para toda a bacia, incluindo, além de Pombos e Vitória de Santo Antão, os municípios de Chã Grande, Gravatá, Moreno e São Lourenço da Mata. A área de atuação será bem maior, e bem maiores os desafios a serem enfrentados. Por isso é imprescindível a participação ativa de todos que querem e acreditam num futuro melhor, para que o Fórum atinja seu objetivo.

Próxima reunião do Fórum: dia 15 de julho, às 8:30 horas, na Faculdade Osman Lins (FACOL), Rua do Estudante, 85 – Bairro Universitário, Vitória de Santo Antão. Participe!

Cordialmente,

Marcelo Mesel
Presidente da Coordenação do Fórum
81 -3231 5242 / 3222 1724