• Ceclin
set 06, 2008 4 Comentários


“Sou um cabra feliz”, diz presidente

Publicado em 06.09.2008

Com a popularidade alta, a economia sem sobressaltos e sua imagem sendo disputada por candidatos País afora, o presidente Lula externou ontem, em discurso, seu estado de espírito: é “um homem de sorte, um cabra feliz”. Falando para empresários e trabalhadores durante o primeiro evento de sua agenda, no Porto do Suape, sobre a construção do primeiro de 49 navios, Lula afirmou que algumas pessoas dizem que tudo o que tem acontecido no Brasil — como a descoberta de petróleo na camada de pré-sal — é porque ele tem sorte.
“Alguns dizem: ‘As coisas estão acontecendo porque o Lula tem muita sorte’. Graças a Deus, e que me dê muita sorte, porque sem sorte nem homem e nem mulher arrumam mulher e marido. Precisamos de sorte para sermos felizes no amor, para o nosso time ser campeão, para vivermos bem a nossa vida, para termos emprego. Se alguém, um dia, quiser um presidente azarado, não contem comigo. Se quiserem alguém com sorte, podem ficar certos de que eu vou ajudar a eleger”.
Lula fez questão de dizer que, atualmente, tem estado muito feliz. “Pensem num cabra feliz e olhem para cá: sou eu. Tenho vivido alguns momentos que só posso acreditar que tem o dedo de Deus apontando e nos empurrando para assistir e presenciar o que está acontecendo no nosso querido País”.
Embalado na alegria, Lula pareceu esquecer-se de que é ano de eleições e cutucou os políticos que, segundo ele, só lembram dos pobres quando é para pedir votos. “Parece-me que neste País os pobres só tinham valor em época de eleição. Em época de eleição, pobre é a coisa mais paparicada do mundo. É época de político falar mal de banqueiro, de falar mal de empresário, de falar mal de magnata, e é época de falar bem do pobrezinho, do miserável, do que mora no barraco. Até beija as criancinhas. Depois da posse, dá uma banana para os pobres e vai almoçar e jantar com os ricos durante todo o seu mandato, e só volta a pensar nos pobres quatro anos depois”.
Como tem feito freqüentemente, o presidente voltou a criticar, sem citar nomes, “aqueles que torcem contra” seu governo para que o País dê errado. Lula disse que a oposição pode fazer discursos contra ele, podem xingar o presidente, mas devem votar o que é de interesse do País. (Jornal do Commercio).