Ceclin
fev 26, 2010 5 Comentários


“Estou de volta ao jogo”, festeja Humberto Costa

Publicado em 26.02.2010
Petista é inocentado no caso dos vampiros e se fortalece para as eleições
Cecília Ramos
O choro foi de alívio. Choro de quem foi obrigado a esperar quatro anos para passar de “bandido sanguessuga” à vítima. A determinação política é de uma fera ferida, disposta a lavar a alma, agora, nas urnas. “Estou de volta ao jogo. Me sinto no direito de puxar uma carta”, desabafou Humberto Costa (PT), que foi aclamado por seu grupo político, ontem, como candidato ao Senado.
O secretário das Cidades, que respondia a um processo de quando foi ministro da Saúde do governo Lula, convocou uma entrevista coletiva ontem à noite para divulgar o parecer do Ministério Público Federal (MPF) que pediu sua absolvição da Operação Vampiro, por falta de provas.
“Eu esperei por isso como esperei o nascimento da minha filha. É como se eu tivesse nascido de novo. Eu ressuscitei”, disse Humberto, aos prantos, diante da primogênita, Manoela, 27 anos, da família, de aliados petistas e da militância que lotou o auditório do Sindsep, na Boa Vista. Humberto recebeu a notícia da absolvição no final da manhã de ontem, por sua advogada, Marília Fragoso. O próximo passo agora é a chancela do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, que deve acompanhar a decisão do MPF e arquivar a denúncia. “Eu tenho convicção que o TRF fará isso. Me sinto de alma lavada”.
Mas não há prazo. O parecer do MPF tem 16 páginas e o que interessa está na terceira: “a acusação é inconsistente”. “Nenhuma prova foi produzida no sentido de atribuir ao acusado a prática dos crimes imputados por ocasião da denúncia” (fraude em licitações para compra de medicamentos pelo Ministério da Saúde). A decisão do MPF era o que faltava para Humberto se sentir ainda mais à vontade para entrar numa eleição majoritária – o Senado.
No ato de ontem, todos os petistas presentes, pertencentes à tendência de Humberto, a Construindo um Novo Brasil (CNB), chancelaram o nome dele para disputar o Senado na chapa do governador Eduardo Campos (PSB). E mantiveram a disposição de ir às prévias no PT para brigar pela vaga, contra o outro nome do partido, o ex-prefeito João Paulo. “Agora todo o povo de Pernambuco tem uma dívida com Humberto. E a justiça a ser feita é colocar o nome dele na majoritária”, conclamou o deputado Maurício Rands, que também pleiteava o Senado e decidiu retirar o nome.
Humberto tentou desvincular sua absolvição pelo MPF com a disputa ao Senado, alegando já ter todas as credenciais para a disputa. Desabafou tudo o que passou por ocasião das denúncias, relembrou a eleição ao governo em 2006, quando estourou a “máfia das ambulâncias” e o “escândalo dos sanguessugas”, e avisou: “Já estamos processando quem me humilhou, me difamou.
Todos já foram notificados”, disse, sem querer citar nomes. Declarou que não está processando por “vingança”, mas porque quer que seu episódio sirva de “lição”. “Pernambuco não merece esse tipo de campanha caluniosa que eu sofri, que minha família sofreu. (…) Me tiraram da disputa de 2006 de forma desleal”.
(Jornal do Commercio).

MATÉRIAS VINCULADAS: