Arquivos da Tag: SINTEPE

Professores fazem assembleia nesta sexta para decidir se continuam greve


Alunos das escolas Dom Bosco e Dom Vital, em Casa Amarela, apoiam greve dos professores Raí Vinícius

Alunos das escolas Dom Bosco e Dom Vital, em Casa Amarela, apoiam greve dos professores – Foto: Raí Vinícius

JC Online

Pressionados por decisão judicial que determinou a suspensão da greve, na última quarta-feira (15), sob pena de multa diária de R$ 30 mil, os professores da rede estadual de ensino realizam assembleia, na manhã desta sexta-feira, para definir se dão continuidade ao movimento, iniciado na segunda-feira. O encontro acontece no Teatro Guararapes, no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda, Grande Recife, a partir das 9h. E, se depender da avaliação do sindicato da categoria, a mobilização continua.

“A adesão é ampla e se manteve na casa dos 70% mesmo após a decisão judicial, que ainda não recebemos. Foram realizados nesta quinta vários atos em todo o Estado, dez só na Região Metropolitana. O governo não nos procurou. Então, o quadro se mantém e, pelo que tenho ouvido, a greve deve continuar, mas quem vai decidir é a categoria”, declara o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe), Fernando Melo.

Levantamento da Secretaria Estadual de Educação nas unidades da rede apontou que o índice de adesão total ao movimento caiu de 14% (143 escolas), na quarta-feira para 13% (133) na quinta. O índice de unidades com aula normal subiu de 49% (517) para 53% (556). Já o funcionamento parcial caiu de 37% (385) para 34% (356).

O JC visitou algumas instituições no bairro de Santo Amaro, área central do Recife. Na Luiz Delgado, a adesão foi completa. Ao lado, a João Barbalho funcionou normalmente, com falta de apenas dois professores. “Aqui 60% dos docentes trabalham com minicontrato, que proíbe participação em greve, os demais sofreram com o movimento anterior”, destacou o diretor Natanal José. A Escola José Maria teve parte das aulas.

Entre os atos realizados estava o de alunos das escolas Dom Bosco e Dom Vital, em Casa Amarela. Eles saíram em passeata até a Avenida Norte, no início da manhã, fechando a via por cinco minutos. “Esta luta não é só dos professores. Nós queremos uma escola melhor. Queremos que eles venham com vontade para a sala de aula”, diz o estudante de segundo ano Raí Vinícius, 16 anos. A categoria tem pauta com 44 itens, entre os quais reajuste de 13,01% para todos.

 

Professores estaduais não são notificados e continuam greve


Categoria decidiu pela greve durante assembleia na última sexta-feira (10) Foto: Sintepe/Divulgação

Categoria decidiu pela greve durante assembleia na última sexta-feira (10) – Foto: Sintepe/Divulgação

Apesar da greve dos professores estaduais de Pernambuco ter sido considerada ilegal pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), os docentes ligados ao Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe) ainda não voltaram às salas de aula. Eles alegam que ainda não foram notificados oficialmente sobre a ilegalidade da mobilização. O desembargador Jovaldo Nunes acatou nessa quarta-feira (15) o pedido do governo de Pernambuco e decretou a suspensão imediata da greve. Foi determinado que, caso a decisão seja descumprida, o Sintepe pagará multa de R$ 30 mil por dia.

“Apesar do sindicato ainda não ter sido notificado, adianto que vamos recorrer da decisão do TJPE. De qualquer modo, a decisão de acabar ou continuar a greve só pode ser tomada numa assembleia”, destaca o diretor jurídico do Sintepe, Ronildo Oliveira. A próxima assembleia será sexta-feira (17), às 9h, no Teatro Guararapes, no Centro de Convenções, em Olinda.

Os professores da rede estadual de ensino, onde estudam cerca de 650 mil alunos, estão em greve desde a última segunda-feira (13). A principal reivindicação dos mestres é o reajuste de 13,01% para toda a categoria. Lei estadual vai conceder esse percentual de aumento apenas para quem tem nível médio (antigo magistério).

Em nota do TJPE enviada à imprensa, o desembargador diz que há indícios de ilegalidade/abusividade no movimento – que será analisada quando do julgamento do mérito da ação – por ter sido “deflagrada por tempo indeterminado, bem como pelo fato de o sindicato réu não ter avisado previamente ao Governo do Estado de que deflagraria o presente movimento, além de ter havido interrupção total do serviço essencial do magistério, desconsiderando, assim, a essencialidade do serviço público da educação.

Com informações do JC Online. 

 

Governo solicita que professores grevistas retomem atividades


Blog do Inaldo Sampaio

Paulo-Câmara-foto-Roberto-PereiraEm nota divulgada ontem (15), o governador Paulo Câmara convoca os pais de alunos para que encaminhem os estudantes às salas de aulas.

Os professores da Rede Estadual de Ensino estão em de braços cruzados desde o início desta semana, em busca de melhores salários.

Leia abaixo a íntegra da nota:

O Governo do Estado reitera o firme propósito de retomar o diálogo com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe), via mesa de negociação, com vistas a encontrar solução negociada para o acordo coletivo dos profissionais da educação da Rede Estadual de Ensino, e para tanto solicita que retomem às suas atividades para normalização das aulas, considerando a decisão da Justiça de decretar ilegal a greve deflagrada no dia 10 de abril. A Secretaria de Educação recomenda aos pais de alunos e responsáveis que encaminhem os estudantes para a suas escolas a fim de voltarem à normalidade das aulas.

 

 

Professores estaduais cobram do governo promessa de dobrar salário


Foto: Jc / Imagens

Foto: Jc / Imagens

Professores estaduais que estão em greve participarão, na tarde desta quarta-feira, da passeata organizada nacionalmente pelas centrais sindicais contra o projeto de lei que trata das terceirizações. Os docentes vão aproveitar o ato, que sairá da Avenida Cruz Cabugá, em Santo Amaro, Centro do Recife, para cobrar do governador Paulo Câmara o cumprimento da promessa feita por ele durante a campanha eleitoral, ano passado, de que irá dobrar o salário da categoria. Concentração será a partir das 14h.

Mil camisas foram confeccionadas pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe) com a frase “100% – Prometeu, cumpra!”. Docentes do interior também estão programando passeatas hoje nas cidades de Passira e Surubim, no Agreste, Belém de São Francisco e Petrolina, no Sertão.

O pedido de ilegalidade da greve, feito pelo governo estadual ao Tribunal de Justiça de Pernambuco terça-feira, será julgado pelo desembargador Jovaldo Nunes. Já o mandado de segurança impetrado pelo deputado estadual Edilson Silva contra o corte do ponto dos professores será apreciado pelo desembargador Ricardo Paes Barreto.

Jornal do Commercio

 

 

Edilson Silva anuncia mandado de segurança do PSOL para garantir direito de greve dos professores


ESUm mandado de segurança ajuizado pelo PSOL pretende garantir o direito de greve dos professores estaduais de Pernambuco. A ação judicial foi anunciada pelo deputado Edilson Silva, integrante do partido, nesta terça (14), no Plenário da Assembleia. Para ele, o Governo do Estado está se utilizando de abuso de poder para responder ao movimento legítimo do magistério.  Segundo o parlamentar, o Poder Executivo publicou uma portaria em que ameaça cortar o salário dos professores que não voltarem a trabalhar, além de alterar a data de remuneração dos grevistas. As medidas também abrangem o rompimento de contratos temporários e a transferência de profissionais que atuam nas escolas de referência.

Edilson Silva lembrou que o direito de greve é garantido pela legislação brasileira e ressaltou que o movimento ainda não foi considerado ilegal para que o Governo adote medidas tão arbitrárias e truculentas. Ele afirmou que está instruindo os professores a ingressarem com ações individuais na Justiça, defendendo que os profissionais estão sofrendo assédio moral.

Sílvio Costa Filho, do PTB, demonstrou indignação em nome da bancada oposicionista da Assembleia. Teresa Leitão, do PT, afirmou que a portaria do Governo se assemelha aos decretos da ditadura militar, criticando o autoritarismo com que os professores têm sido tratados. Priscila Krause, do Democratas, lembrou que a promessa de campanha do governador Paulo Câmara, de dobrar o salário dos professores, não está sendo cumprida.

Tony Gel, do PMDB, afirmou que respeita o direito da Oposição e dos professores se manifestarem. Entretanto, ele considera prematuro o início da greve da categoria, já que Paulo Câmara assumiu o Governo há pouco mais de cem dias. O governista afirmou que as promessas de campanha ainda não se concretizaram também por causa do pouco tempo de mandato. Ele lembrou, ainda, as dificuldades econômicas e a necessidade do Executivo controlar os gastos.

Com informações da Assembleia Legislativa de Pernambuco.

 

 

Governo determina medidas contra grevistas, mas paralisação continua


imagesEm Pernambuco, os professores da rede estadual de ensino continuam de braços cruzados, mesmo com as determinações do Governo do Estado, publicadas no Diário Oficial desta terça (14). Os servidores iniciaram a greve na segunda-feira (13) e reivindicam que o reajuste concedido aos docentes com ensino médio (antigo magistério), de 13,01%, seja dado a todos os professores.

De acordo com as medidas, o controle de frequência dos professores que aderirem à greve será rigorosamente apurado e, caso os servidores faltem por causa da paralisação, terão desconto na remuneração. Além disso, a determinação inclui também a possibilidade de rescisão dos contratos dos servidores contratados temporariamente e a chance de troca de localização dos servidores lotados nas escolas de referência.

Mesmo com a publicação das determinações, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe), Fernando Melo, afirmou que a greve está mantida. “Fizemos um levantamento do impacto dessas medidas. Até agora, o que vimos foi que as medidas não alteraram em nada a adesão dos professores, muito pelo contrário, causou mais revolta”, comentou Melo.

G1/PE. 

 

 

Em Vitória, professores da rede estadual aderem à paralisação e realizam protesto


(Fotos: Divulgação / Sintepe Vitória).

(Fotos: Divulgação / Sintepe Vitória).

Em Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata, professores da rede estadual de ensino, filiados ao Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe) protestaram na manhã desta terça-feira (14), em um ato de adesão à paralisação regional. Com cartazes, os educadores se reuniram na Praça do Anjo, área central da cidade, no período da manhã. Dizeres como “melhores condições de trabalho”, “garantia do piso salarial” e “professor não é celular pra viver de bônus” ensejaram o contexto da mobilização local.

A classe decretou estado de greve após o Governo do Estado conceder um reajuste de 13,01% apenas para professores com ensino médio, o que equivale ao antigo magistério. Segundo o sindicato, o reajuste não atende às necessidades porque apenas 10% da categoria tem essa qualificação. Isso implicar dizer que 90% dos professores não terão direito ao benefício.

A Secretaria de Educação do Estado sinalizou através de nota que está aberta a dialogar com a categoria.  Ainda segundo a pasta, uma portaria  publicada no Diário Oficial do Estado desta terça-feira (14), determina a apuração da frequência dos servidores que não comparecerem às aulas, e que haverá desconto na remuneração devido as faltas. Enquanto isso, a categoria segue em paralisação por tempo indeterminado.

Professor

 

 

 

Greve dos professores tem 70% de adesão, diz sindicato, mas governo discorda


(Escolas ficaram vazias nesta segunda-feira (13). Cerca de 650 mil alunos estudam na rede. Foto: Brenda Alcântara/Esp.DP/D.A.Press)

(Escolas ficaram vazias nesta segunda-feira (13). Cerca de 650 mil alunos estudam na rede. Foto: Brenda Alcântara/Esp.DP/D.A.Press)

Diario de Pernambuco

Secretaria de Educação garante que apenas 22% das unidades, 232 escolas, paralisaram totalmente as atividades

O primeiro dia de greve dos professores da rede estadual de ensino deixou 70% das escolas sem aula, segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe). A informação, no entanto, é diferente da divulgada pela Secretaria de Educação, que garante que 22% das unidades, 232 escolas, paralisaram totalmente as atividades, e 23% parcialmente, 239 instituições. De acordo com o levantamento oficial da SEE, 55% dos colégios, 574 unidades, funcionaram normalmente apesar da mobilização. Os dados são referentes ao turno da manhã.

Ainda no documento, a Secretaria de Educação pede que pais e responsáveis entrem em contato com as unidades de ensino para saber se a escola está com as atividades normalizadas e, em caso positivo, encaminhem os estudantes para as aulas.

A categoria cobra o cumprimento da Lei do Piso Salarial (11.738/2008), que garante o reajuste de 13,01% a todos os professores da rede e não aos profissionais com nível médio, como determina o projeto aprovado pela Assembleia Legislativa (Alepe) na semana passada. A greve só poderá ser encerrada em uma próxima assembleia, marcada para a próxima sexta-feira (17), à tarde, ainda sem local definido.

Para conferir a nota emitida pelo Governo do Estado sobre a greve clique AQUI. 

 

Em PE, seleção tem 638 vagas para professor de português e matemática


sALAG1PE

A Secretaria de Educação de Pernambuco inscreve, até 20 de abril, professores de português e matemática em processo seletivo de contratação temporária, com 638 vagas distribuídas por todo O estado. Os selecionados atuarão em atividades de fortalecimento das aprendizagens nos ensinos médio e fundamental. A remuneração é de R$ 1.273,34 para carga horária de 150 horas/aula e R$1.698,09 para 200 horas/aula. As inscrições são gratuitas e realizadas, exclusivamente, pelo site da secretaria, onde o candidato pode também conferir o edital da seleção. Os critérios de avaliação serão divididos em duas partes: 1) análise da experiência profissional e de títulos e 2) avaliação pedagógica, sendo esta apenas para os classificados na primeira etapa.

A seleção será válida por 12 meses, prorrogável pelo mesmo período, a partir da data de homologação do resultado final. Já a contratação temporária terá validade de até seis meses, prorrogável por igual período. São 315 vagas para professor de português e 323 para professor de matemática. Do total de vagas ofertadas por função, 3% ou uma vaga, no mínimo, será reservada para pessoas com deficiência. O resultado final está previsto para será divulgado em 27 de maio, no site da Secretaria de Educação.

 

 

Por meio de nota, Governo diz que só pode negociar salários de demais professores a partir de maio


poliNota Oficial

O Governo do Estado de Pernambuco vem a público esclarecer que o Ministério da Educação (MEC) estabeleceu novo valor para o Piso Nacional do Magistério, que hoje é de R$ 1.917,78. Para garantir que nenhum professor receba abaixo do Piso Nacional, foi editada a Lei Estadual n° 15.465 de 08 de abril de 2015, que aumentou em 13,01% o valor do salário para os profissionais de nível médio. Os demais professores recebem salários superiores ao Piso Nacional.

O Governo do Estado informa que, depois de garantir o cumprimento do Piso Nacional para os professores da Rede Estadual de Ensino, iniciou o processo de diálogo e negociação sobre o reajuste salarial para os professores com nível superior. Mas, foi surpreendido pela decisão do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe), de romper o diálogo, decretando greve por tempo indeterminado, prejudicando os alunos e suas famílias.

Diante do contexto de crise econômico-financeira que o Brasil enfrenta, e na qual Pernambuco também está inserido, o Governo precisa aguardar o fechamento das contas relativas ao primeiro quadrimestre, que vai ocorrer no mês de maio, para poder, então, apresentar proposta de reajuste salarial.

O Governo do Estado ressalta que, não haverá negociação até que haja suspensão da paralisação e solicita aos professores o retorno ao trabalho, garantindo assim, o funcionamento normal de todas as escolas.

 

 

Sintepe: Educação em greve – Calendário de atividades


sintepeCalendário de atividades

13/04 - Primeiro dia de greve. Contatos com as unidades escolares.

14/04 - Debate sobre o Projeto de Lei 4330, às 14h, no auditório do Sintepe.

15/04 - Passeata com Centrais Sindicais (Greve Nacional contra o PL 4330). Os trabalhadores em Educação participarão da atividade com o mote Prometeu, cumpra!

16/04 - Comunicação com a sociedade através de carros de som nas ruas das comunidades

17/04 - Assembleia Geral da categoria, às 9h, local a definir.

Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco – Sintepe

www.sintepe.org.br.   

Professores da rede estadual deflagram greve por tempo indeterminado


14709_664556030340714_1942403179691096985_n

Na assembleia realizada na tarde da última  sexta (10), no Recife, os professores da rede estadual de ensino decidiram parar as atividades por tempo indeterminado, a partir desta segunda (13). Antes, duas paradas de advertência, totalizando quatro dias, foram registradas. O principal alvo da pauta continua sendo o cumprimento do Piso Salarial, que garante reajuste de 13,01% para todos os professores e não somente aos com nível médio. Uma nova assembleia foi agendada para o dia 17 de abril. Até lá, aproximadamente 190 mil alunos ficam sem aula do Litoral ao Sertão.

 

 

Em PE, parte das escolas da rede estadual segue com paralisação


 (Foto: Penélope Araújo/G1)

(Foto: Penélope Araújo/G1)

Continua nesta quinta-feira (9) a paralisação dos professores da rede estadual de ensino de Pernambuco. É a segunda paralisação de 48 horas que o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe) realiza este ano.

A categoria está insatisfeita com o projeto de lei que corrige o piso salarial do magistério, aprovado pela Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe). De acordo com a proposta, o reajuste de 13,01% só irá contemplar os professores que estudaram até o ensino médio.

Saiba mais AQUI. 

 

Professores da Rede Estadual realizam mais um ato em Carpina nesta quinta (9)


Protesto-dos-Professores-em-Carpina-26-03-15Os professores da rede estadual de ensino  realizaram  na manhã desta quinta-feira (9), mais um ato em protesto no centro de Carpina, para protestar contra o Governo do Estado. O objetivo é recolher assinaturas para uma nova reivindicação. O primeiro ato realizado na cidade foi uma passeata no ultimo dia 26 de março quando reuniu professores e alunos da rede estadual de ensino.

do Voz da Mata Norte

 

 

 

Paulo descarta aumentar impostos e diz que momento é ruim para conceder reajuste a servidores


Foto: JC / Imagens.

JC / Imagens.

Ao participar de um debate em uma rádio na manhã desta quarta-feira, o governador Paulo Câmara (PSB) defendeu os 100 dias de sua gestão à frente do Estado e falou sobre a situação econômica de Pernambuco. O socialista descartou que pretenda aumentar impostos para turbinar a receita estadual, mas em compensação deu uma má notícia ao funcionalismo público ao dizer que o caixa da administração não permite reajustes de salários no momento.

“Temos como filoasofia não aumentar tributos. Nunca fizemos isso. Em um momento desses (de crise econômica), aumentar tributos não aumenta receita. Pelo contrário. Com a atividade econômica diminuindo, aumentar tributos vai piorar a situação econômica das pessoas. Isso não é a melhor forma. A melhor forma é continuar estudando os segmentos e ver onde pode baixar e que essa redução faça com que aumente a produtividade e a expansão dos serviços”, disse.

De acordo com o governador, o momento é do Estado fazer o controle das contas. Ele usou os dados do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para exemplificar a situação econômica e destacou que o ICMS pernambucano ficou abaixo da inflação em janeiro e fevereiro. “Pernambuco está sentindo os efeitos  da crise apesar de ter o maior crescimento da indústria do Brasil em janeiro e fevereiro. Com toda a perspectiva de inauguração da fábrica da Jeep, que vai ocorrer agora em abril, de tudo o que está chegando, a gente tem agora uma perspectiva conservadora em relação a este ano”, falou.

REAJUSTE DE SERVIDORES
O governador reconheceu que Pernambuco está acima do limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e lembrou que por isso o Estado não pode pensar em aumentar os salários dos servidores. A situação, segundo ele, pode mudar assim que sair os dados do quadrimestre, divulgado no final de maio.

“Vamos sentar e mostrar os números. O que fica claro para todo o funcionalismo é que sempre que houve espaço fiscal demos aumento. Demos aumento acima da inflação. É só comparar o que aconteceu nos últimos oito anos. Todas as categorias sempre tiveram aumento bem acima da inflação. Isso mostra a nossa determinação e o nosso olhar em relação aos servidores. Agora há um limite legal que não pode ser ultrapassado e nem é bom ser ultrapassado porque pode afetar outras áreas, pode afetar outros pagamentos e outros serviços. É sentando na mesa, é mostrando os números, é tendo a compreensão do momento que a gente vai conseguir os objetivos”, falou.

De acordo com o socialista, em 2007, quando o PSB assumiu o governo estadual com Eduardo Campos, também havia uma reclamação por melhores salários. “A gente não precisa pactuar para agora. A gente pode começar a conversar para pactuar ações para quando a situação melhorar. Vamos fazer. Em 2007,  se formos atrás e olharmos, o salário só aumentou em outubro. O Estado naquele momento não tinha condição. O que quero reafirmar é que qualquer movimento não contribui em nada para melhorar as contas públicas. É um momento de pressão que não vai surtir efeito nenhum prático. Nós não vamos nos descuidar da legalidade e dos ajustes das nossas contas”, destacou.

 

Jornal do Comercio. 

 

Página 1 de 3612345...102030...Última »