• Ceclin
ago 24, 2015 0 Comentário


Sem perspectiva de implantar plano de segurança, metroviários falam em greve

a3e8a0dc34966276f7bb38f3a5fbf261Pronto desde janeiro passado, o plano de segurança para o metrô do Recife – cuja elaboração foi acordada para encerrar greve da categoria em outubro de 2014 – não tem previsão de sair do papel. O avanço da insegurança vem sendo discutido em várias frentes, inclusive em Brasília, mas a falta de perspectivas já leva os metroviários a falarem em nova greve. A última investida registrada foi nesta segunda-feira pela manhã (24), quando três criminosos assaltaram usuários dentro de um vagão da Linha Sul, entre as estações Imbiribeira e Largo da Paz. Também houve violência no final de semana.

“O plano está muito bom, mas precisa ser cumprido. Entre os itens constam um convênio com a Polícia Militar (PM) para reforçar a vigilância em estações e trens; a contratação de 155 agentes de segurança aprovados em concurso em 2014; a regulamentação da Polícia Ferroviária Federal (PFF); e a implantação de um circuito de monitoramento e outros equipamentos tecnológicos mais modernos”, informa o presidente do sindicato da categoria, Diogo Morais. “É a soma de ações que vai trazer resultados, até porque o número ideal de seguranças é de 750 e temos 355”.

De acordo com o sindicalista, o tema será abordado nesta quarta, em audiência no Ministério Público de Pernambuco (MPPE) sobre os ambulantes e, na próxima semana, em audiências na Assembleia Legislativa de Pernambuco e em Brasília. “O secretário de Mobilidade do Ministério das Cidades (Dario Lopes) esteve aqui no Recife e se comprometeu a ver o convênio com a PM. Já a questão da PFF está sendo tratada com deputados federais. A profissão é lei, mas falta de regulamentação impede os policiais de atuarem armados”, observa.

“No domingo, houve depredação de trem na Linha Sul e assalto entre Joana Bezerra e Afogados, na Linha Centro. Todo dia tem ocorrência. A situação chegou no limite, a categoria quer parar e assim que voltarmos de Brasília vamos avaliar um novo movimento”, adianta Diogo.

A assessoria da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) no Recife nega assalto no domingo, alega que houve uma discussão. Mas reconhece que a insegurança avança. “Hoje (ontem) o superintendente está reunido com comandantes de batalhões para tratar do assunto. São 11 assaltos só nas estações. Muitas pessoas nem registram queixa e isso é fundamental. Sem punição não há retorno. Mandamos imagens para a polícia das ocorrências e não temos ninguém preso. Houve uma prisão, após divulgação de um vídeo, mas o criminoso foi solto pois ninguém registrou queixa”, diz o assessor de comunicação, Salvino Gomes. “Encaminhamos pedido de convênio à SDS e estamos no aguardo”.

A assessoria da SDS, contudo, mandou nota que informa: “Por ser um transporte federal, a segurança nas estações, linhas e vagões é de responsabilidade da Metrorec-CBTU, conforme Lei Federal n. 6.149/74”, mas vem colaborando em ações em esquema especial em dia de jogos e grandes eventos.

Por conta da insegurança, a CBTU determinou a retirada dos 56 caixas eletrônicos responsáveis por 630 mil transações por mês, em 28 estações. A Multibanco, empresa que administra o contrato dos caixas, salienta que durante três anos só houve duas tentativas de arrombamentos. Líderes comunitários estão fazendo um abaixo-assinado pela volta dos equipamentos.

Jornal do Commercio