• Ceclin
nov 14, 2018 0 Comentário


Prefeitura de Pombos aponta queda de receitas e alta dívida com Previdência

O gestor culpa principalmente os aportes pagos em altos valores pela Prefeitura ao Fundo de Previdência. Foto: Divulgação

O gestor culpa principalmente os aportes pagos em altos valores pela Prefeitura ao Fundo de Previdência de Pombos. Foto: Divulgação

Em meio as recentes dificuldades com significativas quedas quanto aos repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) distribuídos pelo Governo Federal, comprometem os pequenos municípios a cumprir suas obrigações com credores e pagamento salarial de seus servidores, a exemplo do 13º salário.

Devido a essa instabilidade de caixa, maioria dos municípios brasileiros se encontra debilitado financeiramente. Embora esteja diante de menor gravidade em suas finanças comparada com muitos municípios pernambucanos, a cidade de Pombos, no Agreste, fez o pagamento da primeira parcela do 13º dos seus servidores, tanto os contratados quanto aos efetivos. Segundo dados oficiais disponibilizados pelo Portal da Transparência, o Governo de Pombos vem tendo reduções significativas em seus repasses federais, principalmente do FPM. A situação de Pombos é preocupante ainda em razão da atual crise vivenciada pelo País, agravado ainda pelas dívidas deixadas pelos antecessores em diversos setores da municipalidade (Entenda AQUI).

O entrave financeiro principal da Prefeitura de Pombos se encontra junto ao Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Pombos (IPRESP), o qual abriga 237 aposentados e 41 pensionistas. Para saldar as obrigações do IPRESP, a administração acaba faltando recursos para a execução de obras públicas e compromete maiores investimentos na cidade.

Em entrevista a uma emissora de rádio, o Prefeito de Pombos Dr. Marcos Ferreira (PSB) reclama de  dívidas deixadas pelos seus antecessores, apontando desvios das gestões passadas com as obrigações junto ao IPRESP. Segundo ele, o rombo deixado e assumido pela atual gestão gera um aporte médio mensal  do caixa da Prefeitura para o IPRESP o valor em torno de R$ 225.000,00 (Duzentos e vinte e cinco mil Reais). Para ele, essas dívidas vêm gerando apertos nos investimentos estruturadores do Município.

José Roberto de Lorena, Diretor Presidente do IPRESP, informa oficialmente que a Prefeitura de Pombos apenas no corrente ano de 2018, através da Secretaria Municipal de Finanças, já repassou mais de R$ 2.500,000 (Dois milhões e quinhentos mil Reais), conforme relatórios disponibilizados ao A Voz da Vitória. 

A Prefeitura de Pombos pontuou que desde o início da atual gestão várias medidas acabaram sendo tomadas a fim de amenizar as dívidas que giravam em torno de R$ 7 milhões de Reais. Uma delas foi o aumento, autorizado pela Câmara de Vereadores e discutidas com as categorias, da alíquota patronal de 12% para 15%, bem como o percentual de contribuição dos servidores que passou de 11% para 13%.

Dr. Marcos Ferreira também anunciou que “teve que cortar na carne” para enfrentar a diminuição de receitas nos últimos meses. “Foi preciso enxugar ainda mais os gastos com a Folha de Servidores, que de certa forma dificulta a execução de alguns serviços que ressentem da diminuição de mão de obra, porém devido aos nossos esforços não vêm comprometendo os serviços públicos”, salientou. O gestor culpa principalmente os aportes pagos em altos valores pela Prefeitura ao Fundo de Previdência.

O prefeito externou um exemplo simples para entender o quadro financeiro da Administração em Pombos: “(…) é como se fosse uma casa onde tinha Cem Reais pra gastar, sendo que de repente você apenas arrecada Cinquenta Reais, e destes Cinquenta tem que pagar dívidas antigas, as quais levam mais 25, 30. Então, como em qualquer gestão temos que escolher prioridades, mesmo assim temos honrado compromissos e buscado minimizar os impactos dos serviços, procurando atender a população com dignidade”, explicou.