• Ceclin
jun 27, 2017 0 Comentário


Pedro Monteiro e Silvinho Cavalcanti defendem resgate do legado de Vanildo de Pombos

Pedro Monteiro durante a conversa com Silvinho, em seu programa na Web. Foto: AVV Imagem

Pedro Monteiro durante conversa com Silvinho Cavalcanti e Banda em seu programa na internet. Foto: AVV Imagem

por Lissandro Nascimento

Buscando discutir as raízes culturais e o reconhecimento dos inúmeros artistas que possui a cidade de Pombos, no Agreste pernambucano, o vice-prefeito de Pombos – Pedro Monteiro (PV) – tratou com os internautas quanto à importância da promoção dos festejos culturais valorizando os aspectos artísticos do Município, no Programa Ponto & Vírgula na internet, que segue reproduzido pela Página de Pedro Monteiro no Facebook, realizado nas noites de toda quinta-feira, sempre às 19h. Para isso ele convidou o cantor, compositor e sanfoneiro Silvinho Cavalcanti, natural de Pombos, que começou sua carreira artística desde 2002.

Silvinho CavalcantiO artista adquiriu renome após o lançamento da Banda “Os filhos de Vitôr”, pois junta Silvinho e Waltinho, irmãos do grande artista Vanildo de Pombos, quando ambos buscavam dar continuidade a brilhante carreira do irmão, fazendo a diferença com um ritmo contagiante e de raiz, com sanfona, triângulo, zabumba e muita alegria animados ao som de forró, xote e xaxado.

Sobre o renomado cantor, em junho de 2008, Vanildo de Pombos foi morto covardemente aos 47 anos por dois homens em uma moto que cometeram o crime na porta de sua casa em Pombos. Vanildo era paranaense, filho de pais pernambucanos. Em 1980, começou a carreira e escolheu como nome artístico Vanildo de Pombos, uma homenagem à cidade onde cresceu. Irmãos de Vanildo, Silvinho e Waltinho criaram uma banda de forró. Foi a maneira que encontraram para homenagear o irmão. Os filhos estimulados por Seu Vitôr e Dona Darci, desde pequenos, acompanhando Vanildo de Pombos, rodaram o Nordeste cantando a cultura nordestina. O talento destes artistas de Pombos foi logo reconhecido, pois Vanildo deixou um acervo com mais de trezentas composições e dez discos gravados. Em 2002, apresentaram-se durante as transmissões da Copa do Mundo do Japão, quando fez uma música para o atleta pernambucano Rivaldo. Convidados para representar o Brasil numa turnê mundial encantaram plateias nos EUA e em Portugal.

Justamente para referendar este legado que engrandece a cidade de Pombos, Pedro Monteiro sugeriu e colheu ideias dos internautas para resgatar a memória histórica de Vanildo. “Há o prédio da Estação do Trem em Pombos sem qualquer utilidade que poderia ser transformado em espaço turístico. A valorização deste espaço e a confecção de uma estátua de Vanildo poderiam ser uma importante referência cultural para o Município”, opinou o vice-prefeito.

Pedro Monteiro e Silvinho Cavalcanti

Silvinho Cavalcanti esteve no Programa da Web acompanhado de Claudinho Salsicha e Marcone Baterista (foto de capa), quando aproveitou para cantar sucessos de seus shows, a exemplo das canções “É Gonzagão”, “Minha resposta é o silêncio”, e “Podem falar de mim, tou nem aí”. Indagado por Monteiro de como Pombos poderia incrementar sua cultura local, o sanfoneiro defendeu que se faz necessário resgatar as nossas tradições e valorizar os artistas da terra. “Pombos possui cantor de viola, embalador de coco, bonequeiros, cantores, compositores, mulheres artesãs, dentre outros artistas, que precisam de espaço para expor seus talentos. Sobre os festejos juninos, é preciso incentivar os palhoções e promover as quadrilhas juninas, pois estas tradições precisam ser vivenciadas junto à nova geração”, analisou Silvinho. O sanfoneiro criticou a burocracia que se cobra de pequenos artistas, sobretudo aos iniciantes na carreira, quando os órgãos públicos dificultam suas contratações.

Analisando que a cidade de Pombos possui potencial de incrementar bons atrativos turísticos e culturais que poderiam ajudar a diversificar sua economia local, o vice-prefeito defendeu o resgate da cultura do abacaxi, identidade municipal abandonada, bem como a valorização dos “pratas da casa”, abrindo espaço para os artistas da terra. “Devemos como gestão pública criar alternativas para atrair o fluxo de turistas que se destinam a ir até Gravatá, Bezerros e Caruaru. É preciso dar chances a este público conhecer nossa cultura e festividades locais e por aqui ficar algumas horas para contemplar os espaços que se fazem necessário ter para atraí-los”, salientou Pedro Monteiro durante conversa com Silvinho, em seu programa na internet.

Sobre o fato de que em alguns momentos as gestões públicas de Pombos não convidam os artistas para a grade de shows no Município, Silvinho lembrou que o tempo do gestor é limitado, ao contrário do artista “que será sempre artista independente de quem seja o prefeito”, pelo qual complementa finalizando: “Amo cantar para o meu povo e a minha cidade. Por onde passo fazendo meus shows tenho orgulho deste lugar e de dizer que sou de Pombos”, confidenciou Silvinho.

 

ASSISTA na internet ao Programa Ponto & Vírgula na Página @Pedro Monteiro