• FAMAM
  • Ceclin
out 31, 2008 6 Comentários


Henrique Queiroz: o nó górdio das eleições 2008

Artigo de Manoel Júnior enviado por e-mail opina sobre o resultado das urnas.
Vitória de Santo Antão, cidade pólo com um colégio eleitoral de mais de 90.000 (noventa mil eleitores) demonstrou que continua dividida e polarizada: Elias Lira e Henrique Filho com 35.190, e Demétrius Lisboa, (representando o ex-prefeito José Aglaílson), junto ao médico Edvaldo Bione com 34.958, (portanto, operando-se uma diferença de apenas 232 votos).
A diferença é um sinal visível das dificuldades que ambos os grupos enfrentaram neste processo eleitoral. Não se pode dizer, simplesmente, que um ou outro grupo errou, pois, diante da diferença de votos, vê-se que pequenos detalhes podem ter tido o condão de determinar o resultado do pleito.
Afirmo isto apenas no quesito propriamente eleitoral, pois, se nos reportarmos aos fatores pré-eleitorais, teremos, de forma cabal, de reconhecer que, sem o Deputado Henrique Queiroz (PR) não se vislumbraria a possibilidade da conquista do poder político.

Foi necessário e imprescindível que as cores amarela de Elias Lira e o verde de Henrique Queiroz se fundissem no desejo de mudanças, para que, tornando-se uma única cor, um único grupo, tivessem a possibilidade de enfrentar o grupo do dito “Zé do Povo”!

Quando afirmo que Henrique Queiroz foi o nó górdio da eleição, é por que sem ele não haveria, a princípio, condições mínimas de vitória das “oposições” em nosso Município; fato este que, pela diferença de votos, é inquestionável.
Se na campanha não existiram, necessariamente, fatores que possamos elencar como sumamente importantes (pois todos o foram); já, pré-eleitoralmente, sem o deputado Henrique Queiroz, a campanha não teria logrado êxito.
Estrategicamente, a campanha dos hoje eleitos, estaria fadada a derrota!

Henrique Queiroz reafirmo: foi o nó górdio para o senhor Zé do Povo, que apesar de ter optado em ser mais político que administrador, ainda conseguiu, apesar dos buracos, repassar votos ao bom e desconhecido Demétrius Lisboa. Resta-nos, agora, como Vitorienses, desejar que a partir de Janeiro de 2009 Vitória de Santo Antão inspire aos vitoriosos a bem ordená-la, pois, repetindo Aristóteles: “Ordenar é o ofício dos Sábios.”

por Manoel Carlos do Nascimento Silva,
é Acadêmico de Direito da FACOL.