• Ceclin
ago 08, 2018 0 Comentário


Gestão compartilhada é tema da XI Semana do Patrimônio Cultural

Porto Digital, parque tecnológico que fica localizado entre os bairros de São José, Santo Amaro e Santo Antônio, é um exemplo de gestão compartilhada que funciona e que trouxe de volta vida e funcionalidade à área. Foto: JC Imagem

Porto Digital, parque tecnológico que fica localizado entre os bairros de São José, Santo Amaro e Santo Antônio, é um exemplo de gestão compartilhada que funciona e que trouxe de volta vida e funcionalidade à área. Foto: JC Imagem

Além de Recife, outras 16 cidades terão programação diversificada durante a semana. A abertura acontece no Teatro Arraial, na segunda-feira (13) 

O compartilhamento das responsabilidades com os patrimônios públicos vai ser o assunto principal da XI Semana do Patrimônio Cultural de Pernambuco, realizada entre os dias 13 e 17 deste mês, pela Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) e a Secretaria Estadual de Cultura. Em paralelo ao Recife, outras 16 cidades também preparam programações diversificadas.

Com o tema Gestão Compartilhada: perspectivas e desafios, o evento visa conscientizar a respeito dos deveres do Estado, dos cidadãos e das instituições privadas acerca da preservação de patrimônios culturais. Durante a semana, serão debatidas políticas públicas que unam os setores da sociedade para que juntos consigam preservar e proteger os patrimônios materiais e imateriais do nosso Estado, assim como promover a disseminação e valorização da cultura pernambucana.

Segundo Márcia Souto, presidente da Fundarpe, essa é atualmente a única saída viável para a preservação. “A gestão compartilhada é, na verdade, um conceito. A gente precisa entender que nós não conseguimos fazer a gestão de nada sozinhos, seja poder público, iniciativa privada ou sociedade”, comenta. Para ela, a participação das empresas privadas é fundamental nesse processo. “É preciso que o desenvolvimento econômico venha junto com a preservação para que a gente possa garantir à população qualidade de vida, bem estar e o patrimônio cultural preservado, assim como sua identidade cultural e a preservação da sua história”, ressalta. Ainda segundo Márcia, o Porto Digital, parque tecnológico que fica localizado entre os bairros de São José, Santo Amaro e Santo Antônio, é um exemplo de gestão compartilhada que funciona e que trouxe de volta vida e funcionalidade à área.

Entre as cidades com eventos programados estão Recife, Olinda, Abreu e Lima, Cabo de Santo Agostinho, Floresta, Garanhuns, Tamandaré, Caruaru, Belém do São Francisco e Brejo da Madre de Deus. Renata Echeverria, gestora de preservação da Fundarpe e organizadora de Semana, pontua que cada um dos municípios organiza sua própria programação.

A abertura da XI Semana acontece no Teatro Arraial Ariano Suassuna, na Rua da Aurora, Boa Vista, às 14h da segunda-feira (13/8). Na cerimônia, que terá a presença do artista e pesquisador Antônio Nóbrega e de Mestre Chocho, Patrimônio Vivo de Pernambuco, será lançada a revista Aurora 463 – Ano III. No mesmo dia, será lançado o livro Patrimônio Cultural Imaterial de Pernambuco, organizado por Jacira França e Marcelo Renan de Souza. Na publicação, estão classificados e detalhados os nove patrimônios imateriais nacionais que fazem parte do Estado.

Atividades
Na sexta-feira (17), Dia Nacional do Patrimônio Histórico, será realizada a entrega do 3º Prêmio Ayrton de Almeida Carvalho de Preservação do Patrimônio Cultural, assim como a diplomação dos seis novos Patrimônios Vivos de Pernambuco. A cerimônia acontece no Teatro Santa Isabel, no Bairro de Santo Antônio, a partir das 9h.

A programação completa de XI Semana do Patrimônio Cultural de Pernambuco pode ser conferida no site da Secretaria de Cultura de Pernambuco (www.cultura.pe.gov.br.).