• Pitu 2
  • Ceclin
jun 21, 2017 0 Comentário


Em Vitória, após abandono do Poder Público, abatedouro animal segue para o setor privado

Inaugurado Abatedouro Regional de Vitória de Santo Antão

Inaugurado Abatedouro Regional de Vitória de Santo Antão. O espaço tem capacidade para o abate de 40 animais por hora, entre bovinos, bubalinos, caprinos, suínos e ovinos.

por Lissandro Nascimento

No início da manhã desta quarta-feira (21/06), o governador Paulo Câmara (PSB) participou da inauguração do Abatedouro Regional de Vitória de Santo Antão. Registrado na Adagro, vinculada a Secretaria Estadual de Agricultura, recebeu o selo do serviço estadual de inspeção animal (SIE). O espaço tem capacidade para o abate de 40 animais por hora, entre bovinos, bubalinos, caprinos, suínos e ovinos. Além de oferecer uma maior segurança alimentar sob o abate e comercialização dos produtos de origem animal, o equipamento vai gerar cerca de 80 empregos diretos e 600 indiretos na região, situado no Engenho Cacimbas, às margens da rodovia PE-50 após a entrada do Monte das Tabocas.

Abatedouro Regional em VitóriaEstimando em oferecer o serviço para cerca de 1,2 milhão pessoas de nove municípios que serão alcançados, a proprietária do estabelecimento, Maria do Socorro Torres Lisboa, recebeu para a inauguração o Governador Paulo Câmara; o Secretário de Agricultura e Reforma Agrária, Nilton Mota; e o Prefeito Aglailson Júnior, além do Deputado Federal André de Paula, os Deputados Estaduais Henrique Queiroz, Joaquim Lira, Claudiano Martins e Ricardo Costa, João Campos (Chefe de Gabinete), bem como vereadores e lideranças.

O estabelecimento, privado, teve investimentos no valor de R$ 3,8 milhões, visando atender os municípios de Vitória de Santo Antão, Moreno, Pombos, São Lourenço da Mata, Chã de Alegria, Glória do Goitá, Camaragibe, Recife e Jaboatão. O local possui 3,5 hectares de área construída e está equipado para realizar abate humanitário de todas as espécies e ainda conta com caldeira, duas câmaras frias e sistema completo de resíduos com três lagoas de decantação.

De todo modo, há quase uma década Vitória de Santo Antão estava sem local para abatimento de animais, sendo vítima do abate clandestino de animais e havia suspeição da procedência da carne comercializada nos açougues da cidade. O Matadouro Público Municipal que funcionava no Bairro da Vila União, em Vitória, foi fechado pelos órgãos públicos do Estado sob o pretexto de haver mal trato e contaminação do espaço. Aliás, os dois matadouros públicos que a cidade possuía foram interditados pela Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco (Adagro) e Agência Estadual do Meio Ambiente (CPRH).

Negligenciado pelo ex-prefeito José Aglailson e abandonado pela gestão do ex-prefeito Elias Lira (PSD), o fechamento do Matadouro Público de Vitória desempregou muitos trabalhadores e deixou a mercê da clandestinidade a aquisição da carne às mesas de milhares de famílias vitorienses. Ao que tudo indica, tudo combinado a fim de atender aos interesses do macro setor industrial alimentício que via na região a possibilidade de ampliar seu mercado de abates, além de tirar da responsabilidade do Poder Público local o gerenciamento deste comércio. Provando, mais uma vez, que as gestões administrativas das famílias Queiralvares e dos Liras, em Vitória, são danosas aos interesses da maioria da população vitoriense.

“A gente tem que apoiar empreendimentos como esse, que geram emprego e renda para a população pernambucana. Esse matadouro será uma referência aqui, na região, sendo exemplo de abate humanitário e incentivando equipamentos como este em todo o Estado”, pontuou Paulo Câmara na solenidade.

 Abatedouro Regional de Vitória