• Ceclin
mar 09, 2016 0 Comentário


Confirmada primeira morte pela febre chicungunha em Pernambuco

mosquito_aedesaegypti

De acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde divulgado nessa terça-feira (8), a primeira vítima fatal da febre chicungunha no Estado foi de uma idosa de 88 anos, que faleceu em um hospital particular do Recife no dia 21 de fevereiro. Entre os dias 3 de janeiro e 5 de março, a Secretaria notificou 9.160 casos suspeitos de chicungunha, dos quais 226 foram confirmados. Em 2015, foram notificados 2.605 casos suspeitos de chikungunya, sendo 450 confirmados. Neste mesmo período, foram notificados 31.481 casos suspeitos de dengue, chegando a 4.210 confirmações. O aumento no número de casos suspeitos foi de 131,7% em relação ao mesmo período de 2015, quando foram notificados 13.587, mas houve uma redução no número de confirmações, que, no ano passado, chegou a 6.989.

Sobre a febre zika, o estado notificou 4.849 casos suspeitos de infecção pelo zika vírus. Ainda não há confirmações de casos em 2016. Com relação à microcefalia, o Estado confirmou que 241 bebês nasceram com uma malformação no cérebro nos últimos 7 meses. Em 68 casos, ficou comprovada a relação com a zika. Outras 267 suspeitas foram descartadas. Desde que a notificação de casos de gestantes com exantemas foi tornada obrigatória, no período de 2 de dezembro de 2015 a 5 de março 2016, 117 municípios do Estado notificaram 2.713 casos de gestantes com esse quadro clínico. Desse total, 16 gestantes apresentam confirmação de microcefalia intraútero.

Vale salientar que a notificação das mulheres com exantema não significa, necessariamente, que elas são casos suspeitos de dengue, chicungunha ou zika, já que outros fatores podem ter ocasionado as manchas vermelhas (rubéola, intoxicação, alergia ou alguma outra virose). O exantema também não é indicativo que a mulher terá um bebê com microcefalia.

Rádio Jornal